A conta

Padrão

hard café

Você chegou e me deu um abraço demorado
Demorado e apertado demais para os seus padrões
Suspirou
Olhou nos meus olhos

E eu entendi tudo
Havíamos de conversar

E eu banquei a durona
Fingindo que não estava entendendo
Que o que eu previa há tempos
Estava por acontecer diante de meus olhos

Você pediu um café
Eu pedi um café com leite frio
E eu adocei com todo o açúcar
Que havia de caber naquela xícara

Para que as palavras
Fossem doces aos meus ouvidos
E ao meu paladar
E ao meu coração

E você me contou sobre a sua vida
E as novas direções
Pensamentos e possibilidades
E sobre as batidas de seu coração

Enquanto você falava
O café que era frio
Queimava minha garganta

Meus pensamentos iam longe
Em uma desconexão de sentimento
Razão, fé e querer
Eu não conseguiu ouvir metade do que você dizia

E só pensava
Eu deixei isso ir longe demais
E achando que estava tudo sob controle
Me dei conta que eu havia perdido
Me perdido
Te perdido

Perdição
Há muito tempo
Em algum lugar qualquer dessa vida

No fim
Você pede a conta

E eu pensando
Quem vai pagar os prejuízos
Dessa conta que você não fechou no meu coração?

Anúncios

2 comentários sobre “A conta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s