Das mentiras que eu conto

Padrão

fone-love

Peguei o telefone para te ligar

Inventar uma história qualquer
Uma desculpa ou pretexto
Para ouvir sua voz

Sua risada engraçada
Que é difícil de ser ouvida

Das suas palavras
Que dizem o que é dito
E não o que eu desejo na minha imaginação

De acreditar que o “Alô”
Aproxima e te coloca diante de mim
Em sua disposição enigmática

Mas que mesmo assim
Me prende
E me faz pensar
Girar e não ter certeza de nada

Você me ensinou a não ter certeza de nada

E isso me fez ter confiança
Que estava no caminho certo
Ao me enganar que não me apaixonaria

E que tudo estava sob controle
Quando na verdade
Perdi o controle de mim mesma faz tempo

Será que um dia tive?

Mas sucumbi ao meu desejo
Minhas falsas intenções
De artifícios baratos
Para ouvir sua voz

E o alô ficou em minha imaginação
Esvaziada por sonhos bobos
Noites inteiras
Beijos intensos
E tudo mais
Que hoje ficou lá

Na prateleira mais alta
Na espera do fim do feriado
Na angústia do fim do domingo
E no que não poderá voltar jamais

Porque tudo é ensaio
Do que um dia foi e poderia ter sido
Do que um dia houve e nunca poderia ter sido

Do lugar que eu nunca ocupei
Na sua vida

E na minha…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s