Dos absurdos da vida

Padrão

arco-iris

Estava lendo um dos meus textos
E tentando entender de onde vem tudo isso
Pois não me lembro da maioria do que escrevo
Como seu eu tivesse o privilégio de entrar em outra dimensão
De acessar palavras e bailares e novas danças

E lembrei de uma carta que lhe escrevi
E você leu e riu da minha cara

Dizendo que eu jamais seria capaz de escrever algo assim
E queria saber em qual site eu havia me apropriado do conteúdo

Lembro de ter ficado em silêncio
Porque minhas palavras nunca foram dignas de você
Porque no final das contas

Não sei se você entendeu do que se tratava minha carta
Do que eu queria realmente lhe dizer
Que as palavras
Meus sentimentos
Minhas intenções

Outra dimensão de compreensão
Um código secreto
Ou puro desinteresse da sua parte

Só de lembrar que você tem diversas cartas minhas guardadas
Dói na alma

E que eu não tenho nenhuma cópia delas

De imaginar que eu te amava
E o que há de amor transbordando em todas elas

E foram palavras lançadas para lugar algum
De onde nunca pertenceram
E nunca foram entendidas

E agora eu fico na saudades
Das palavras que eu te escrevi
E queria elas de volta para mim

Minha melhor versão do amor
Perdida em algum lugar do passado
Na gaveta e na história
De alguém que não sabe ler…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s