Já foi

Padrão

carlos-drummond-de-andrade

Daquela saudade que sinto
Como a saudade dos amantes
Que não podem falar
Que não pode sentir
Que ninguém pode saber

Do desencaixe
Que silenciosamente
Destrói minha paz

E sangra
Dentro da minha armadura

Da saudade da vida
Que um dia houve de ser

E foi arrancada
Sem direitos
Sem poderes

Simplesmente arrancada

E da dor
De não poder chorar
De não poder sentir
E calar
O sentimento
As lágrimas
E o coração

De saber
Que ele sangra
E diariamente
Encoberto

Com meu sorriso
Mais estranho
Minhas palavras
Monosilábicas

Do bom dia
Do boa tarde
Do boa noite

E da vida que passa
E cada vez se afasta
Do que houve

E das lembranças
Que se misturam
A imaginação
Ao desejo da possibilidade
E se…

E assim a vida
Caminha para o fim

Da vida que se apresentará
Mas é vivida
Por protocolo

Pois nunca trará
O que foi arrancado

A inocência
O querer
A pureza

O que resta
E o que vale a pena

Se nesta vida
Não mais haverá
De ter

O que foi…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s