Das contas que não fecham

Padrão

banco-no-mar

Não sei mais jogar
Esse joguinho de ir e vir
De querer e fingir que não quer
De ser e fingir que não sei
Não ser?
Não sei…

E ai você me diz que tá tudo bem
Seu silêncio me diz que está tudo bem
Mas suas palavras
Quando se apresentam
Me confundem

E me dei conta
Da conta
Que não fecha
Mas não brincar com números

Não sei brincar com pessoas
No final das contas
Não sei fazer contas
Das palavras
Que as pessoas dizem

E não sei fazer sentido
Do sentido que você dá
Do sentido que você me dá
Das palavras que você diz
E do que eu não entendo

E seu silêncio me conforta
Mas me tira do eixo
Do que eu pretendia
Do que eu achava que entendia
Do que não fechava

Tudo bem
E agora eu fico me equilibrando
Das palavras que você me disse
E que me cortaram

E agora finjo que está tudo bem
Mas se estivesse tudo bem
Não iria doer

E eu não ia ficar tentando me equilibrar
E fingir que está tudo bem
Que você nem se dá conta que não está

Mas não sei se você se importa
Porque o seu silêncio me diz isso

Está tudo bem.

Está?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s