A insuportável leveza de ser

Padrão

relógio

De repente
O tempo parou
A comida amargou
O dia escureceu

Eu andava pela rua
E não enxergava nada
Não percebia nada
Só seguia em frente

Do grito preso na garganta
Explodiu com as lágrimas
E a tortura do que foi revivido

Da mentira que me enfiei
Para ver se a vida agora ia

E me dei conta
Que a vida não vai

Da vida que não há
Da vida que nunca haverá de ser

De perder tempo
De sonhar em vão
De plantar a semente
E descobrir que ela não é minha

Na verdade
Nada nunca é
Nem nada nunca foi

De ter que pedir favor
Para fazer parte deste lugar
Estar nesta vida assim

Pedindo licença
Desculpa
Sinto muito
Não se incomode com minha presença

De fazer morada
No favor do valor dos outros
E pedir licença para tudo

Suspiro arrependida
De lá atrás não ter dado fim
A tudo isso

Mas não faria diferença

O lugar seria outro
Mas a dívida
Ficaria dobrada
E permaneceria a mesma…

Tenha fé

Padrão

realeza

Seus olhos com lágrimas
Se esforçando para não chorar
Como se fosse um desafio maior
Ser forte acima de tudo

E quando você me disse
Que queria tanto
Sabia bem o que queria

Por um instante
Olhou para o chão e recuou
Dizendo que talvez…

E me fez pensar
Que não existem histórias erradas
Nem os tropeços são errados

E quando você lá atrás
Teve de recalcular a rota
E acabou se sentindo mal porque a vida
Criou novas alternativas

E você disse que talvez pudesse ser evitado

Mas já tinha tanta coisa para ser evitada
Segurando a barra da vida dos outros
E sendo a fortaleza do mundo lá fora

A vida te deu
O presente que faltava
Te colocou no lugar certo

E você mesma disse
Não há vida depois disso…

Então a verdade e a certeza é essa
De ganhar o presente que veio
De conhecer novos caminhos
E a certeza era essa

Quase um tombo
Mas que te fez levantar
No lugar certo
Na vida certa
Encaixada onde sempre foi o lugar certo

O lugar do amor!

Você disse

Padrão

espero nao ter esquecido nada de importante

Hoje você me falou
Aquelas palavras
Que eu sempre quis
E mais esperei
Desejei e sonhei

Quando você disse
Eu te olhei
No fundo dos olhos
Eu te olhei
Para suas mãos
Eu te olhei
No café que estava esfriando

E você me olhava

Aquelas palavras
Despencaram de uma janela
No décimo primeiro andar
E se espatifaram

Eu não estava preparada
Não estava mais pronta
Não esperava mais elas

Elas se estatelaram no chão
E foi morte na certa
Sem chance para chamar o resgate

E eu te olhei
Dei um beijo
E parti…

Como ser normal?

Padrão

porta-verde-trancada_434-19316046

Está errado
Faça desse jeito
Não faça assim
Não faça isso
Mas porque você não faz de outra maneira?

E nas tentativas
De sair do quarto
De tentar chegar até a porta da sala
Sair de casa

Até lá
Não se trata só
De uma vida

Se trata de existir
De ocupar um lugar
No mundo

Mas enquanto isso
A porta do quarto fica trancada

E a memória toma conta do corpo
E a memória do abuso preenche
Toma conta do ar
E a respiração fica difícil
A cabeça dói

Melhor dormir
Lá ninguém pode me incomodar
Lá ninguém entra sem eu permitir

Lá é o único lugar
Que eu posso acreditar
Ser dona da minha vida…

Quem se importa?

Padrão

cemitério

Me desejaram um bom dia
Uma pessoa que eu nem sei quem é

Mas ela me desejou
Um bom dia

Ela nem sabe
Que eu não sei o que é esse dia
Do que se trata comemorar alguma coisa

Porque quando eu chego em casa
Tudo o que eu faço lá fora
Fica lá fora

Como uma máscara que eu uso
Diariamente
Com sorrisos e palavras
Delicadezas e sentimentalidades
Verdades e seguranças

Eu sou realmente a prova de tudo isso mesmo

No final das contas
Um dia ouvi que o escritor não representa a sua obra
No meu caso isso serve

Não represento nada
Represento a farsa
Do fracasso dos aspectos
Que subjugam a abstraem

Mas eu não posso falar isso em voz alta
Isso não pode ser colocado em lugar algum
Isso não importa a ninguém

Nem a pessoa da porta ao lado
Nem a pessoa que mora do outro lado do mundo

Mas no final das contas
Ninguém se importa mesmo

Se eu não estiver mais aqui amanhã
No final das contas
Ninguém simplesmente
Se importará…

Ninguém se importa.

De volta para casa

Padrão

fica

Voltei

Falei

Organizei

Signifiquei

Considerei suas palavras

Chorei o que eu estava engasgado

Consegui dizer o que estava engasgado

Reconsiderei a parte do afeto

Pensei que esse era o lugar

Paro e respiro
Olho ao redor
Tudo faz sentido

Lá eu fui buscar sentido mesmo…

Mas mais do que isso

Acho
Que queria encontrar alguma coisa
Como se eu houvesse
“Deixado algo embaixo da cama”

Entre palavras
Frases
Organizações e Pensamentos

No bailar das palavras
Quando me dei conta
Que eu nunca tinha pensando nisso

Respirei fundo

Você abriu a porta

E implorei
“Por favor não me abandone”
Você respondeu que não iria me abandonar…

Acho que tudo fez sentido agora.