Sobre esse gosto da morte

Padrão

morte1
Eu achei que sabia o que era ser triste
E me senti brigando com um animal selvagem
Tomando uma patada que me jogou longe
Fez meu corpo bater contra o muro
Me fez em pedaços

Senti cada caco
Cada estilhaço
Cada centímetro de dor
Desalento e fracasso

Senti o que eu não sentia
Há muito tempo

De não sentir o ar entrando em meus pulmões
Não sentir o gosto da comida
Não sentir nada

Não conseguir pensar
Ou ousar desafiar o que me destruía

Do fracasso que tem esse gosto
Do prenúncio do inverno
De vento gelado em meu corpo

De não querer mais levantar da cama
E pedir com todas as forças
Para que haja piedade
E uma doença mortal
Se apodere de meu corpo
E me leve
Para longe de tudo isso…

Assim quem sabe
Haverá uma razão para ter vivido tudo isso…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s