Me preparei a vida toda

Padrão

fimOuço todos os dias
O que vai nos corações
Dos segredos
Dos devaneios
Dos desabafos
Das resoluções
E decisões…

De repente
Me pego
Diante
Do meu maior algoz

O tempo
Me pregou uma peça

Não tem graça

Me anestesie
A vida toda
Para isso

Como se fosse óbvio
Como se fosse cortar
Como se fosse matar

E mata…

De repente

Me vejo
Limitada
No sentir
No escutar
No oferecer
No acolher

De mim mesma
No que é hipótese
Mas não costuma errar

Do que é silêncio em um
Transborda no outro
O que cala
Mas fere na profundidade
Exata do que é

Agora
O tempo será o mensageiro
Do que é
Do que há
Do que está reservado
Deste o dia
Que foi plantado

Daqueles finais
Que não queremos

Mas…
Nem tudo pode ser
Resinificado, não é mesmo?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s