Presa no pesadelo

Padrão

pesadelo1
Hoje eu sonhei
Como se estivesse presa
Fugindo no tempo
Escapando de algo
Me mudando de vez
Deixando as coisas para trás…

De repente
Peguei coisas
Joguei outras fora…

Lembrei
De ter mexido no armário
E encontrando coisas
Não sabia de quem…

E tudo ficou misturado
Com a revelação do dia
Da notícia
Que veio para devastar
E quebrar mais uma vez
Meu coração…

E a música tocava
No sonho
Como se fosse verdade
A realidade do dia
Se misturava com a saudade
De rasgava
No sonho…

Acordei
Da noite que não dormi

Agora
Fico aqui
Na dúvida
Se choro
Se rezo
Se durmo
Ou
Se desisto de novo
Mais uma vez
De tudo….

Anúncios

Prenda a respiração e pule

Padrão

fim
Hoje eu cogitei
Como há muito
Não pensava

Em desistir

Cansei de procurar
Cansei de fazer
Cansei de querer
Cansei de tentar
Cansei de sonhar
Cansei de amar
Cansei de entender

Cansei tanto
Que desistir era o mais belo refúgio

Quando nada mais faz sentido
Quando nada mais tem o porque
Da vida que se faz vazia
Das bebidas que não entorpecem mais
Do cigarro que deixou de fazer companhia

Daqueles dias
Que levantar da cama
É a tortura maior

Ir para a vida
O sacrifício inescapável

Colocar o sorriso
A melhor roupa e ir
Rezando para o dia acabar
Para voltar para casa
E fechar a porta

Ficar no escuro
Ficar no silêncio
Ficar na cama

Ficar em paz

A eternidade chega quando?

Por essa ninguém esperava

Padrão

porta

Cheguei em casa
Depois de mais um dia
Um longo dia
Um belo dia
Um cheio dia…

Mas cheio de tudo o que eu escolhi
De cada sementinha que eu busquei
Para plantar no meu jardim…

Mas o que ninguém sabe

Hoje…

Eu
Arrumei um tempinho para mim

E falei…

Falei coisas que
Nem eu mesma sabia
Que ainda estavam lá…

Coisas que eu achei
Que estavam no lixo

Mas a pessoa era boa
E me pegou no pulo
Me pegou na ausência
Fez a pergunta certa
Desmontou meu castelo
De ilusões
Que eu mesma construí
Para me esconder e cuidar

Eu tinha me esquecido
E me dei conta
Que esquecer
Se tornou hábito
Para camuflar
O que não pode ser visto

Mas a inteligência
É tão grande…
Que agora
Esquecer é o convite
Para ir lá
E definitivamente
Arrumar a bagunça toda
Que eu mesma fiz
Um dia…

Acho que é só cansaço

Padrão

game
Olho ao redor

E vejo um monte de coisas para fazer

Posso arrumar afazeres
Ou distrações
No estalar dos dedos

Mas é como se de repente

Algo tivesse perdido o sentido

E me lembro de você
Das nossas conversas
Do que um dia foi
Do que um dia eu achei que era
Do que um dia eu quis que fosse
E do que na realidade era

Nada disso se encontra
Lá no final da túnel
Ou no final das contas

É tudo isso mesmo…

Eu fingia que acreditava
Você se esforçava para suportar

E acho que você foi sincero
Mas eu não escutei

Tudo não passada de nada mesmo, não é mesmo?

Meu engano

Padrão

amor-dependencia-algemas

Onde você chegava
Encantava
Hipnotizava
Silenciava
Paralisava

Deixava as pessoas
Assoberbadas….

Eu
Eu ria
De tudo isso
E me envaidecia
Achava tudo isso
Incrível

Depois
Isso se voltou
Contra mim

E eu queria
Isso para mim

Te controlei
Maltratei
Humilhei
Vilipendiei
Fui longe demais

Controlando
O intangível
Inacessível
Inviolável
O incontrolável

E você
Ja tinha
Feito o mesmo
Comigo

Onde você chegava
Encantava
Hipnotizava
Silenciava
Paralisava

Deixava as pessoas
Assoberbadas….

Essa era eu

Caindo na armadilha

Que eu havia percebido

Mas nunca imaginei
Que já estava nela

E sem me dar conta
As pessoas
Olhavam
Era para mim….

Só finjo estar bem

Padrão

pedaços de mim

Na mesa
Falando do cotidiano

Alguém do passado
Reapareceu

E na conversa
Das bobagens
Outras coisas vieram

E seu comentário
Me rasgou

Não foram
As palavras

Elas só foram certeiras
No que esta infeccionado
E doeu

Meus olhos se calaram
Se fecharam
Para não escorrerem
O sangue
As lágrimas
O nó
A desgraça
Que foi

Você riu
Do meu destino

Mal sabendo
Que o abismo
Me chama

O convite é tentador

E você ri
E goza da maldade

Quando me dou conta
Que você ajudou
Lá atrás

Você era
Um dos capatazes

E me submeto até hoje

Ao passado morto
Enterrado
Mas que vive
No meu peito

Tão estranho

Padrão

saudades
Como é que pode ser isso
Dessa saudade
Que resolveu rasgar
Agoniar
Gritar
Fazer bagunça
No meu coração

Eu até estava indo
Não sei para onde
Mas estava

E de repente
Você volta
Do nada
Reivindicando seus direitos
Seu lugar
Seu amor

Mas você fez bagunça
E acabou com tudo
Antes mesmo de ter certeza

Mas para mim
Eu já estava no para sempre
Até o fim…

E sem querer
Não tinha me dado conta
Que a certeza
Era o meu fim…