Acho que é só cansaço

Padrão

game
Olho ao redor

E vejo um monte de coisas para fazer

Posso arrumar afazeres
Ou distrações
No estalar dos dedos

Mas é como se de repente

Algo tivesse perdido o sentido

E me lembro de você
Das nossas conversas
Do que um dia foi
Do que um dia eu achei que era
Do que um dia eu quis que fosse
E do que na realidade era

Nada disso se encontra
Lá no final da túnel
Ou no final das contas

É tudo isso mesmo…

Eu fingia que acreditava
Você se esforçava para suportar

E acho que você foi sincero
Mas eu não escutei

Tudo não passada de nada mesmo, não é mesmo?

Anúncios

Meu engano

Padrão

amor-dependencia-algemas

Onde você chegava
Encantava
Hipnotizava
Silenciava
Paralisava

Deixava as pessoas
Assoberbadas….

Eu
Eu ria
De tudo isso
E me envaidecia
Achava tudo isso
Incrível

Depois
Isso se voltou
Contra mim

E eu queria
Isso para mim

Te controlei
Maltratei
Humilhei
Vilipendiei
Fui longe demais

Controlando
O intangível
Inacessível
Inviolável
O incontrolável

E você
Ja tinha
Feito o mesmo
Comigo

Onde você chegava
Encantava
Hipnotizava
Silenciava
Paralisava

Deixava as pessoas
Assoberbadas….

Essa era eu

Caindo na armadilha

Que eu havia percebido

Mas nunca imaginei
Que já estava nela

E sem me dar conta
As pessoas
Olhavam
Era para mim….

Só finjo estar bem

Padrão

pedaços de mim

Na mesa
Falando do cotidiano

Alguém do passado
Reapareceu

E na conversa
Das bobagens
Outras coisas vieram

E seu comentário
Me rasgou

Não foram
As palavras

Elas só foram certeiras
No que esta infeccionado
E doeu

Meus olhos se calaram
Se fecharam
Para não escorrerem
O sangue
As lágrimas
O nó
A desgraça
Que foi

Você riu
Do meu destino

Mal sabendo
Que o abismo
Me chama

O convite é tentador

E você ri
E goza da maldade

Quando me dou conta
Que você ajudou
Lá atrás

Você era
Um dos capatazes

E me submeto até hoje

Ao passado morto
Enterrado
Mas que vive
No meu peito

Tão estranho

Padrão

saudades
Como é que pode ser isso
Dessa saudade
Que resolveu rasgar
Agoniar
Gritar
Fazer bagunça
No meu coração

Eu até estava indo
Não sei para onde
Mas estava

E de repente
Você volta
Do nada
Reivindicando seus direitos
Seu lugar
Seu amor

Mas você fez bagunça
E acabou com tudo
Antes mesmo de ter certeza

Mas para mim
Eu já estava no para sempre
Até o fim…

E sem querer
Não tinha me dado conta
Que a certeza
Era o meu fim…

Deixei o portal aberto

Padrão

portal

Dormia tranquilamente

Quando me virei

E te vi

De pé

Na beirada da minha cama

De vestido

Olhos tristes

Uma senhora

Acho que já te vi

Mas não sei de onde

Respirei fundo

Me assustei

Mas o sono era maior

Me virei….

Fechei os olhos

E abri novamente

Agora era apenas

Um vulto ao lado

Do guarda roupas

Essa hora

Assustei de verdade

Acendi o abajur

Me dei conta

Que ao voltar

Trouxe vocês

Sem perceber

Deixei a porta aberta

E esqueci de me despedir

Nos veremos

Em outras noites

Outros sonhos

Outros mundos…

 

 

Sem os remédios

Padrão

tristeza2

Sem remédios há mais de um mês

Sem eles eu sou assim

E consigo acessar o universo

Das palavras que doem

Do que não pode ser dito

Quando as drogas circulam

Livremente e alegremente

Dentro de mim…

Elas trazem as cores

Da vida que queria ser vivida

Mas as palavras ficam trancadas

E eu fico me equilibrando

Tentando entender o que é

O que não pode ser

E o que não sera para ser jamais

Talvez seja apenas isso

Ser triste é o que é

Ser triste é o que eu tenho

De mais criativo em mim…

Então

Por enquanto,

Eu vou fingir que está tudo bem

E escrever

Até quando ficar insuportável

E a dor pedir elas de volta

Então

Escolherei o silêncio

E ficarei alheia

Ao que é…

Mas o que é tudo isso mesmo?