Um dia eu ainda deixo de ser legal… ah, esse dia é hoje

Padrão

Eu-não-fui.._medium

De novo você
Fazendo bobagem
Abusando da minha bondade
Na verdade abusando
Da minha gentileza

Mas fiquei pensando que talvez não seja você
Daquelas histórias que usamos para terminar
Não é você, sou eu
Mas nesta história
Sou eu mesma!

A responsável sou eu

De saber que você usou meu nome
Meus conhecimentos
Manipulou o jogo
Para fazer seu desequilíbrio ter lugar

E me pediu ajuda
Eu te dei
Te ajudei
Você recusou
Me pediu nomes
Eu te dei
Me pedi de novo
Eu já tinha te dado
E você me diz que tinha o direito
De não ir
E eu te respondi
Que eu tinha o direito
De não te dar mais nome

Eu sei que te atingi…
E daqui para frente será meu silêncio…

Daqui para frente eu não me importo mais!
Você pediu
E eu te dou esse lugar

Na outra história
Eu nem suspiro mais
Nem me abalo mais
E senti pena

Justo eu que nem sei sentir isso
Senti pena de você

E meu silêncio neste caso será perigoso
Porque eu demoro a responder
Mas quando respondo rasga

E agora
Você tem uma dívida comigo
E pior
Tem uma dívida com alguém
Que eu jamais ousaria desafiar

Sei que pagarei o preço
Mas desta vez
Eu deixarei você
Perdida…

Daqui para frente eu não me importo mais!
Você pediu
E eu te dou esse lugar
Silêncio.

Cabelo Joaozinho

Padrão

foda-se

Esse texto que irei escrever tem um apelo pessoal, porém me fez repensar algumas questões relacionadas ao comportamento humano.

Recentemente cortei o cabelo estilo Joãozinho, e ficou bem curtinho. No começo estranhei, como qualquer outra novidade na vida da gente, mas me acostumei e gostei bastante do resultado, uma vez que ele facilitou bastante a minha vida. Quando vou me arrumar para sair, dá para ajeitar com a mão mesmo e está tudo certinho.

Mas a parte interessante são os olhares, pois uma mulher com o cabelo bem curto chama mais a atenção. E é nesse aspecto do chamar a atenção que eu fiquei pensando a respeito.

E o campo da imaginação é um universo por demais fértil e de meu fiel interesse.

Alguns conhecidos me disseram as seguintes frases:

– Você resolveu assumir sua homossexualidade?

– Você está com cara de mulher rica.

– Você está com cara de lésbica bem sucedida.

-Agora como você vai fazer para arrumar namorado?

E por ai adiante…

E me dei conta que eu estava experimentando na pele, de uma maneira abrangente, as cobranças sociais relacionadas ao esteriótipo do que se trata de feminino e todas as implicações relacionadas.

Como se o corte de cabelo pudesse determinar tudo o que estivesse relacionado as opções, questões particulares, engajamentos e também sucesso ou insucesso sobre a vida afetiva.

Como se um corte de cabelo pudesse ser um divisor de águas sobre o que diz respeito a minha pessoa, pelos simples fato de não ser cumprido ou do jeito que deveria ser.

Não, eu não pedi a opinião de ninguém.

Sim, eu cortei bem curtinho e o cabelo é meu. Só meu, de mais ninguém.

Se não gostou, problema seu, só seu e de mais ninguém.

Vivemos um momento em que as pessoas se encontram cheias de opiniões e de dizeres, mas se esquecem de perguntar se alguém pediu a  opinião delas.

E neste caso, não… eu realmente não pedi.

Dos olhos azuis que eram verdes

Padrão

por do sol.jpg

Dessa paisagem
Vendo o sol se encontrar com o horizonte
E as ondas que vem e vão
Do seu som das águas que dançam
Do vento de bagunça meu cabelo

Me perco no infinito
Das idéias e pensamentos
Que cruzam o mundo da imaginação

Me recordo
Que em algum momento
Desta vida houve amor
Amor por alguém que fez
A vida se desencaixar
Mas fazer sentido

De você que cruzou meu caminho
Como nunca alguém fizera antes

Dos olhares que se cruzaram
E nunca mais

Sabendo que até hoje
Esses olhos me fazem calar
Silenciar diante da beleza
Que se apresenta
E representa
O que não pode ser explicado por palavras

E eu me achava curada
Como se houvesse cura para o amor
Ou para um coração partido

Já faz bastante tempo
Tempo suficiente para não lembrar
Ou acreditar que foi loucura
Ou que nunca aconteceu

E me dei conta
Que nunca mais te encontrarei
Porque nunca você fez sentido
Do jeito que eu achei que era

E nunca mais nos cruzaremos
Nos encontraremos
Seremos um par

Nunca mais

Olho o horizonte novamente
E o sentimento inunda o meu peito

Da certeza de que nunca mais
Da mesma maneira
Que nunca poderei tocar
A linha do horizonte em contato com o sol

Do amanhecer ou do anoitecer
Certezas da vida
Realidade rasgando meu peito

Mas
Que sentimento mesmo?

Será Freud afinal?

Padrão

diva freud.jpg

Essa noite eu sonhei com você

Você gritava muito comigo

Eu não estava entendendo nada
Só sabia que não era bem vinda
E que você achava que eu queria o seu lugar
Ou teria condições reais de tomar o seu lugar

Acordei desse sonho
Estranhada e até doída
Fiquei pensando

Do que se trata realmente tudo isso?

Você nos meus sonhos?
Eu nem te conheço

O que sei são ecos
Histórias e distorções
Do que um dia houve
E do que ainda existe
Apenas na imaginação

O que eu sei é tudo imaginação

E de uma hora para outras
Você aparece no meu mundo
Das imaginações

E o mal estar
De um dia ter “sabido”
De você
E de saber
Que eu não sou querida
Por você

Não me abalou
Mas destemperou

E agora
Fico o dia todo
Analisando o “inanalisável”
Do que há ou não há
Do que eu sou ou não sou
Do que você é ou nunca

Só agora me dei conta
Que essa história já deu
E você não me expulsava do lugar
Ou do pertencer

Você só me expulsava
Para que eu me desse conta
Que esse lugar não me pertence mais

Obrigada Freud!

Conversando com Deus

Padrão

conversando-com-Deus.png

Naquela segunda feira o plano era outro
Eu tinha compromissos
Finalmente tinha encontrado um tempo para mim
E depois queria falar com Deus

E a segunda feira ficou diferente
Quando recebi a notícia
Do que eu havia parado de pensar
Voltava para minhas lembranças
E me rasgava com a realidade

Até perguntei o sentido de tudo aquilo
Mas a resposta foi apenas a esperada
E a certa do que era possível

Saí de lá
E resolvi andar
Nem lembrava mais para onde mesmo

E no metrô
Por ironia do destino
Estação Liberdade

E na igreja
Me reencontrei com uma imagem querida
Que me remeteu a meu lugar predileto no mundo
Quando por duas vezes pude experimentar o seu dia
A sua festa e a sua força
E chorei

Chorei não de pena, de dó ou de raiva
Chorei porque evitando pensar
Me esqueci que a verdade não pode ficar alheia
E ela voltou para me trazer
Para a realidade

E não parou por ai
Me dei conta
Que a vida passou
Do que passou
Passou
E não foi deixado para trás

Do que passou
O tempo levou
Não volta mais

Do que eu nunca mais poderei ter
Porque escolhi o medo
A recusa em ser o que eu sempre quis

E nesse dia

Eu nem sabia que Deus já estava do meu lado
Quando fui me cuidar
E Ele me lembrou
Que ainda há tempo
Sempre há tempo

Mas a questão principal
É: Eu quero uma segunda chance?

Casa Vazia

Padrão

casa-vazia1

Tudo fica pior
Quando a ficha cai
E o movimento de distração
Não pode mais ser evitado

Porque no final das contas
Ele está encobrindo algo além

Ele está a serviço da evitação
Da fuga da realidade
Do que se diz capaz de existir
Mas somente sobrevive

E a escuridão e as sombras
Se tornam morada segura
Porque a vida experimentada

É de longe
Um rascunho mal executado
De tudo o que um dia foi
Sonho e verdade

De tudo o que um dia foi vivo
Feliz e amado
E que hoje é lixo
Que degrada e não foi descartado
No tempo certo

E de agora em diante
O que resta é a resolução
De tudo o que foi arquitetado
Para evitar
Mas acabou virando morada segura

E vazia
A solidão aqui está começando
A fazer muito barulho

Penso que terei de me mudar
Mas quais são as novas possibilidades?

O que mesmo?

Padrão

homer

Hoje eu saí para resolver alguns assuntos e no meio do caminho me dei conta que o meu celular estava sem bateria.

Como assim meu Deus??

Como eu deixei isso acontecer?

Quanta irresponsabilidade da minha parte!!!

Como uma pessoa que faz isso:

Quer um dia ter filhos?

Constituir uma família?

Cuidar de uma samambaia?

Ter um cachorro?

Perder 10 quilos?

Encontrar o amor da sua vida em um café da cidade?

Cuidar do sobrinho de dois anos enquanto os pais saem para fazer compras?

Dirigir a cinquenta quilômetros por hora na marginal em São Paulo?

 

E tomei a decisão mais sabia de toda da minha existência neste dia…

 

Voltei para casa e busquei o carregador.

 

Ufa…

Mas e a tomada?