Sem entender

Padrão

alvoUm dia você me liga
No outro você desliga

Mando um Oi
Você responde
Dias depois

Sempre tem uma desculpa

E eu deixo
Caio em todas
Deixo elas todas
Fazer sentido…

Nem ligo

Mas estou pensando
Ligo sim

Ligo demais
Para você
Em minha vida
Em meus pensamentos
Em meu coração

Mas você
Nem sei mais
O que é
Ou o que será

Talvez nunca tenha sido
O que eu achei que era

De ficar ignorando
Fingindo ou mentindo
Para mim mesma
Comecei a acreditar
De verdade nessa história
De amor…

Eu inventei tão bem
Que agora virei refém
De meu amor
Platônico
Por alguém…

Você me manda um Oi…
Minha vez de brincar com você…

Anúncios

O dia que as palavras engasgaram

Padrão

tombo

Tropecei
Cai de cara

Acho que ninguém percebeu

Todos estavam cansados
Todos falavam ao mesmo tempo
Todos se mostravam e não se ouviam
Todos queriam ir embora

Mas eu lá
Tentando engolir as palavras
Que eu mesma havia dito

Como foi mesmo que eu fiz isso?

Do que os outros falavam
Me perdi no que era mentido
No que era dito
No que era

Me perdi
No desejo
Do meu desejo
Do que não era real

Tropecei nas palavras
E falei

Não falei nada demais
Mas falei o que não era
Do explicar o que não tinha explicação

Pensando agora
Se me faço de louca
Se finjo que nunca aconteceu
Se o roxo no olho foi um cisco que entrou
Se a cara inchada é de um resfriado

Não sei ser assim
Agora minha consciência me condena
Minha moral me massacra

E já sei que dormir
Hoje, como prêmio de participação
Terei de presente
Da minha mente e da minha consciência
Os requintes desta queda
Visto de todos os ângulos possíveis
Com direito a replay
Narração
Close caption
Tradução em três idiomas distintos
Entrada ao vivo do grupo de operações especiais da policia para descrever a cena
E participação especial de diversos fantasminhas
Que ficarão comigo até o dia amanhecer…

Será que demora muito para isso acontecer?

Fiz m…

Padrão

errei

Errei
Errei tão errado
Que até agora
Ainda não entendi
Como errei bonito assim…

Daquele erros que a gente vê na tv
Que as pessoas fazem e você pergunta: “Como?”
Quando não tem explicação
Não tem razão de ser
Não tem como fazer pior

Como um gol contra
Que eu marquei
Bem na cara do gol
Do meu próprio time

Nem consegui comemorar
Porque eu não tinha me dado conta
Que estava do outro lado do campo
Correndo na direção contrária

Fiz gol contra
Daqueles que a gente nunca esquece

Nunca imaginei
Que sem querer
De tanto querer (na verdade)
Eu fui lá e fiz!

Depois de tudo
Sem rumo eu fiquei
Até agora tentando entender
Como foi mesmo que eu consegui
Esse prêmio de consolação

Que eu mesma fiz de presente
para mim…

Mentira e blasfêmias

Padrão

branca-de-neve-33

Me perdoa

Porque um dia eu esperei um príncipe
Montado em seu cavalo
Que viria ma salvar

Dos monstros, dos dragões
Dos perigos e de tudo mais
O que houvesse de ser perigoso

E você chegou
No tempo certo
Com tudo o que poderia
E haveria de me oferecer

Mas esqueci de te avisar
Que o perigo morava em mim
E que tudo o que haveria de ser frágil
Habitava e me preenchia

E fiz você dançar
Sofrer e implorar

Fiz de você o calabouço
Te aprisionei em minhas maldades
E nas querelas da vida

Que eu havia inventado com primazia

Não havia princesa alguma
Não havia mocinha indefesa
Não havia donzela
E ninguém a ser protegida
Muito menos salva

E nas armadilhas da vida
Eu te fiz refém
Te prendi e maltratei

E te difamei
Cuspi e denegri
Fiz sua história
Ao avesso

E como sempre
Princesa fiquei
E deixei você com os restos
Do que eu jamais
Pude oferecer
Para alguém
Nesta vida.

Seu idiota

Padrão

brinquedo dodoi

Você não pode me dizer essas coisas
Você me colocou em uma posição de predadora e perigosa?
Porque acabei lhe dizendo algo muito íntimo e pessoal
Você deixou sua imaginação ir longe demais
E neste dia pude perceber o quanto uma simples afirmação é capaz de levar a curiosidade e os desejos a esferas inalcançáveis
Falei demais?
Você falou demais?
E te digo… eu sempre quis
Mas me dei conta que nunca aconteceu
Justamente porque você se atrapalhou e se prendeu a uma trama que você mesmo criou
E acabei me esquivando, em um movimento clássico de evitação
E você se aproximando, indo e vindo e não deixando claro o que queria

Eu afirmo não ter coração

E você ainda se defende por um dia ter tido o seu machucado

Está na hora de crescer…

Garanto que não farei isso com você
Mas também não lhe prometo garantias
Será que você aguenta?