Sem entender

Padrão

alvoUm dia você me liga
No outro você desliga

Mando um Oi
Você responde
Dias depois

Sempre tem uma desculpa

E eu deixo
Caio em todas
Deixo elas todas
Fazer sentido…

Nem ligo

Mas estou pensando
Ligo sim

Ligo demais
Para você
Em minha vida
Em meus pensamentos
Em meu coração

Mas você
Nem sei mais
O que é
Ou o que será

Talvez nunca tenha sido
O que eu achei que era

De ficar ignorando
Fingindo ou mentindo
Para mim mesma
Comecei a acreditar
De verdade nessa história
De amor…

Eu inventei tão bem
Que agora virei refém
De meu amor
Platônico
Por alguém…

Você me manda um Oi…
Minha vez de brincar com você…

A culpa é minha

Padrão

trair

Eu não tive coragem
A vergonha e o medo
Me paralisaram
Foram mais fortes do que eu

E eu fugi
Silenciei
Fingi
Te trai

E foi a pior traição
De toda a minha vida

Quando compactuei
Com a história que não me pertencia
Com a história que era mentira

Mas eu tentei
Tentei te mostrar
De todos os jeitos
Possíveis e inimagináveis
Que era uma cilada

Mas nunca diria com as palavras
Que me foram concedidas
E confidenciadas

Mas você se deixou levar

E demorei para perceber que isso já faz parte
E que a mentira é sua melhor morada
O seu lugar predileto no mundo

E que tudo aquilo não fazia mais sentido
Não importava mais
Porque é ai que você gosta de estar

De se tratar
E ser tratada
Ser reverenciada
No bailar da mentira
Da ausência
Da traição
Do gosto amargo que fica
No final de tudo…

Fique ai
Onde você se colocou
Onde se permitiu ficar
E é seu lugar predileto no mundo

Adeus
Adeus de tu
E de ti
E dele
Que nunca existiu

Ao meu lugar
Eu retorno
Com a serenidade
Que me pertence
E ninguém nunca mais roubará

Pois nunca mais permitirei
Ocupar
Ser Ocupada
Ser
Neste lugar