Dobrando a dose

Padrão

drogas1

Esses dias todos
Eu fiquei assim
Desligada
Alheia
Desencaixada

Achei que estava tudo bem
Que as coisas iam melhorar
Mas agora eu só quero saber
De ficar dormindo

Da minha cama
Do meu travesseiro
Dos lugares que eu posso visitar
Enquanto fecho os olhos

E mergulho
Vou profundamente
E viajo
Me perco
Não tenho hora para voltar
E nem hora para chegar


Naquele lugar
A vida ainda tem algo a oferecer
E mostrar que tem um sentido

Mas mesmo assim
Neste entorpecimento
Não era para estar assim

Então
Semana que vem
Eu volto
E ajustamos a dose

Tudo bem…
Mais um pouco
Para que a vida possa voltar a ser
O que nunca poderá ser mesmo.

Das palavras e escolhas

Padrão

chave

Eu só precisava saber o que dizer
Ou saber exatamente
Apenas exatamente
O que fazer

Daqueles dias que contamos
Regressivamente
Ansiosamente
No calendário

E chegou
Agora eu fico olhando para as paredes
Sentindo o coração bater forte

Mas nada
Nenhum movimento
Nenhuma palavra
Nenhuma intenção

Apenas fico olhando
Parada o dia que chegou de presente
E não tenho a menor idéia do que fazer
Com ele e com a minha vida nele

E o dia lá fora está tão lindo
Daqueles muito mais bonitos que os sonhados
Mas simplesmente não acontece
Não vai
Não liga

E daqui eu fico
Esperando que um milagre venha dos céus
E me tire desse entorpecimento
Dessa anestesia
Dese lugar de não existir
E não saber executar o desejo

Hoje

Talvez
Eu me obrigue e sair
Talvez eu consiga dessa vez…

Sonho e mensagem

Padrão

sonho

Da mensagem que eu vi
E já era tarde

Da madrugada que você
Sonhou e pensou
Não entendeu nada
Mas ousou me mandar
As duas horas da manhã

E na organização das idéias
Na censura das palavras
No receio do que eu poderia pensar
Ou dizer

Quando você me disse: Desculpe

Pensei nas desculpas
Que você vem dando
Para você
Para a vida
Para a vida fazer sentido
Para as coisas continuarem encaixadas

Para que a ordem criada
Ainda houvesse de ter sentido
Lugar e permanência

Pensei se de alguma maneira

O desculpe era um por favor
E esse por favor para você
Pode significar “Com licença”
Ou um “Pelo Amor de Deus”
Ou até mesmo “Adeus”

E agora é minha vez
De dizer “Desculpe”
Não ter visto a mensagem antes
“Com licença”
Pela licença poética e por me permitir
De alguma maneira
Mesmo que no sentido onírico
Fazer parte do lugar que está desencaixando
E pedindo um pouco de cuidado e atenção.

 

Perdi o sono

Padrão

insonia

Não dormi
Passei a noite toda
Me revirando na cama
Atormentada por pensamentos
Restos do que foi o dia
Do que foi a nossa conversa

E ainda não entendi
O que houve de ser
Ou que houve na fala

Mas sei que ainda estou
Desencaixada de tudo

O que aconteceu com você
Foi devastador
Foi absurdamente atormentador
Mas
O que houve comigo?

De alguma maneira cruel
E quase pragmática
Já era esperado
E maldosamente aguardado

Já sabíamos que isso ia acontecer
Eu já sabia?
Eu sabia sim…

E você desabou
E me mostrou seu lado humano
Eu lado atrás das caixas
Das palavras e do raciocínio

Do que você tem de melhor
Sua armadura

E sim
A história paralela havia de existir
E era muito bem vivida
E chegou ao seu ápide

E agora
Você
Olha tudo de baixo

Tudo aconteceu embaixo dos seus olhos
Embaixo de sua armadura

E agora

Respiro fundo e tento pensar

Porque eu não consegui dormir?

Desembrulho

Padrão

you-me

Você me deu de presente
O que estava em dívida
Ou que você me devia
De uma certa forma

Aceitei o seu presente
De maneira dissimulada
Ou para ver até onde
Tudo isso havia de terminar

E nos encontramos
E esse encontro
Outros desencontros
Que faziam sentido

Mas eu não
Desde a hora que cheguei
Me perguntei
O que eu fazia lá

E de uma certa maneira
Me arrependi
De ter aceito
O que você me ofereceu

Não por nada
Mas não havia de ser

E seu esforço
Foi louvável
Mas o meu interesse
Dissimulado

Não valeu a troca

E no final das contas
Eu acabei te devendo

A minha sinceridade
O meu respeito
E o meu valor

Por algo que no final das contas

Desencaixou

Eu te dei um valor
Você me devolveu amor

Esse é o final triste

Eu não sei aceitar
O que você me deu.

Chegou você

Padrão

good-vibes

Abandonei tudo lá atrás
Larguei tudo
As caixas
As lembranças

Fiz as malas
Tranquei a porta
Sem olhar para trás

E agora
Chegou você
Se mostrando na sua melhor versão
De tudo o que eu sonhei
Planejei e quis em segredo

Agora você se mostra
E se apresenta para mim
Abre suas portas
Me espera

E eu
Fico quieta
Quase paralisada
Tentando entender onde me perdi

Qual rota de fuga eu tomei
Porque não tenho coragem de dizer
Por não ter coragem de sentir

E me esqueci
Que te desejei mais do que tudo
E agora verdadeiramente não sei
Como fazer para te ter
Para fazer você encaixar

Na vida

Mas isso é outra história

Te ter

Mas e a vida…
Que vida mesmo?

O dia que Lacan fez mais sentido que minha vida…

Padrão

lacan

Desencaixada mais uma vez
De acordar pela manhã
Com a sensação de que falta algo

Um cansaço
O sono
A falta de vontade de comer
Ou de realmente fazer
O dia acontecer

Desse desencaixe de que mesmo?

De não saber a direção
As possibilidades
Ou ausência de querer

Porque a vida se faz e desfaz
A cada amanhecer
E a cada necessidade de fazer
Sentido ou desejar e querer

De pertencer e fazer parte
De ser lembrada
Ou de ser esquecida

De ser ouvida
Mas não há mais nada a ser dito

De ouvir
O que não me importa mais
Das palavras que me atravessam
E ao mesmo tempo esvaziam

Há quanto tempo tudo isso?
De acordar pela manhã
Estranhada
Desencaixada
Esvaziada

Será que o psicanalista estava certo?
Quando disse que a mulher não existe?

Esse é o lugar que eu ocupo
No desencaixe da minha vida?
Do querer fazer sentido?
Do querer ter sentido?
Do querer?
Desejar?

Serão sinais do fim dos tempos?

Lacan… Me ajuda…