Trânsito divã

Padrão

klein

Hoje
Eu acabei tão tarde
Na volta
Trânsito

Chuva
Frio
A luz ficou diferente
Refletiu no vidro

Lembrei de você
O rádio ajudou
Tocou a sua música

Senti saudades
Saudades do que foi
Saudades do seu rosto
Saudades do que era

Me dei conta
Que senti saudades
Do que nunca tivemos

Saudades do que eu queria

Lembrei da sua última mensagem

Me deu uma tristeza

Minha saudades
É só uma imaginação
Uma lembrança
Uma grande mentira

Porque o homem que você se tornou
Nem de longe cabe
Na minha lembrança
Do homem que você foi

Esse foi o golpe

O semáforo ficou verde
A música acabou
O carro atrás buzinou
Voltei para mim

Onde está você
Homem dos meus sonhos?

Anúncios

Devaneios

Padrão

fumaca-de-cores-nas-maos-b254c_thumb

Que esse leve

Esse dia de olhar por si

O vento bate no meu rosto
O sol aquece minha pele

Eu vejo
Minhas mãos
Elas tocam
Elas caminham
Elas podem ver
Me mostrar o longe
As histórias

Com ou sem
Sou eu

Olho o céu
O azul
O sereno
O pleno

Do que busquei
Acreditei
Desejei

Hoje
Eu só quero esse sol
Minhas mãos que desvendam mistérios

Quero brincar
Quero brindar
Eu vou….

Eu vou lá
Sem rumo
Sem certeza

Mas quando houve de haver um dia?
Certeza?
Clareza?

Eu vou…

Minha esquizofrenia tem nome

Padrão

loucura-ou-sabedoria.jpgQuando eu lia suas mensagens
Meu coração transbordava de emoção

Eu voltada no tempo
E voltada nas palavras
Voltada no que eu desejei
Um dia
Com alguém

E te encaixei nesse lugar
Fiz você ser essa pessoa
Fiz você se passar
Por toda uma história
Que eu contava para mim mesma
Na minha cabeça e no meu coração

Brincando de juntar palavras
Recortes de revistas
Recortes de histórias
Que eu mesma contei
Para que a vida tivesse sentido e cor
Enredo e vontade
Lugar para ser e seguir

De repente
Como em uma pausa brusca
Me dei conta que fiz bobagem

Forcei a situação
Da vida
De mim
E de meu coração

Contei tão bem a mentira
Que custei a acreditar
Que eu criei tudo isso

Cheguei a chorar
Sofri e até fiquei triste
Daquelas tristezas que eu gosto
De ficar na cama
Pensar que a vida acabou

Mas na segunda feira
Na hora que o despertador tocou
Lembrei que era mentira

E fiquei estranhada comigo mesma

Fiquei com raiva de mim
Como se tivesse raiva de alguém
Quis cobrar meus direitos
Ir lá dizer umas verdades
Mostrar o quanto eu sofri

Mas de quem eu ia cobrar essa dívida?
Se a culpa foi minha

E hoje estou aqui
Sentada e perplexa
Com a minha esquizofrenia inventada
Do meu romance de araque
Das bobagens que eu deixei
Que eu fiz

E que castigo eu dou para uma criatura dessas?
Se qualquer invenção pode ser um ponto
Para encontrar o equilíbrio
E fazer uma nova história…

Fui eu

Padrão

carro direção.jpg

Hoje eu me deixei levar
Sai da sala
Fui pensando até meu carro
Pensando em tudo o que eu havia ouvido

Mas essa nem era a questão

O fato é que eu fiquei pensando
Nestes lugares que eu já estive um dia
Daqueles que a gente percorre sem querer
E quando vai ver já está lá
Atolada de fazer o que não queria

Deu um frio na barriga
Uma tristeza e quase uma lágrima

E tive de pensar rápido
Como se quisesse desviar o carro
De algo que poderia danificar a estrutura

E pensei
Que desse lugar eu sei
Conheço e já fiz morada

E por uma fração de segundos
Daquelas dignas de passar a vida
Diante dos olhos

Quase ousei deixar
Essa desistência querer fazer morada
Vir com tudo e tomar meu lugar

Lembrei de todos
Que já passaram por esse lugar antes
E conseguiram me deixar lá
Na lixeira moral
No lugar nada da existência humana

Me dei conta
Que eu não sou de lá
Que esse lugar não é meu
Esse lugar nunca foi meu

E eu antes
Estava no lugar errado
Das pessoas que estavam nessa lata de lixo
Da moral e dos maus costumes

Hoje eu acendi a vela
Rezei e enterrei
Junto com tudo o que um dia
Fizeram que acreditar

Que eu nunca deveria ter
Aceitado ou acreditado.

Nessa história
Eu quase assumi a culpa
Do que nem me diz respeito

Ainda bem
Que sei dirigir bem
E desviei com louvor do obstáculo.

Quem venham os próximos…

Pensando bem, não venham não!

Será Freud afinal?

Padrão

diva freud.jpg

Essa noite eu sonhei com você

Você gritava muito comigo

Eu não estava entendendo nada
Só sabia que não era bem vinda
E que você achava que eu queria o seu lugar
Ou teria condições reais de tomar o seu lugar

Acordei desse sonho
Estranhada e até doída
Fiquei pensando

Do que se trata realmente tudo isso?

Você nos meus sonhos?
Eu nem te conheço

O que sei são ecos
Histórias e distorções
Do que um dia houve
E do que ainda existe
Apenas na imaginação

O que eu sei é tudo imaginação

E de uma hora para outras
Você aparece no meu mundo
Das imaginações

E o mal estar
De um dia ter “sabido”
De você
E de saber
Que eu não sou querida
Por você

Não me abalou
Mas destemperou

E agora
Fico o dia todo
Analisando o “inanalisável”
Do que há ou não há
Do que eu sou ou não sou
Do que você é ou nunca

Só agora me dei conta
Que essa história já deu
E você não me expulsava do lugar
Ou do pertencer

Você só me expulsava
Para que eu me desse conta
Que esse lugar não me pertence mais

Obrigada Freud!

Sobre ser leve

Padrão

amor coração.jpg

Da leveza que eu não encontrava
Porque tinha esquecido onde ficava
Ou não tinha tempo para ter
Me permitir ter esse regalo

Do dia que amanhece
Em um céu azul
Com o horizonte iluminado
Pelos primeiros raios do dia

E saber
Que este é o caminho
Este é o lugar
Essa é a única certeza

De que faz valer a pena abrir os olhos
Levantar da cama
Abrir a porta de casa
E ir em rumo ao que é

Da melhor parte da existência
Recheada da melhor escolha
E da melhor metade / parte
Da existência

Quando estar comigo
No que a vida e o conhecimento
Fomentado pelo tempo e a sabedoria
Podem rechear

A vida
Que eu escolhi
E posso ter
E me permitir
E ser

Simplesmente ser
Na melhor parte do que eu tenho
E da melhor parte que a vida tem
E das partes que se unem

E fazem o que é
A melhor vida de todas!

Do vício em você

Padrão

vicio

Você me visita
De maneira sorrateira
Como num piscar de olhos
Me faz acreditar que há
O que um dia houve de não ser
Mas a vida segue adiante

E ao abrir os olhos
Me dei conta que era um sonho

Como já sabia que seria
Você ficou comigo o dia todo
E me observava em tudo o que eu fazia
Em todos os meus pensamentos
Em todos os meus gestos

Na pausa para o cigarro
Na leitura da mensagem no celular
No olhar do retrovisor na próxima esquina

E durante a escuta atenta
Dos dias vividos na contingência
Do conter o alheio
Em detrimento do meu
Do seu

E chegando tarde da noite
Ao acender a luz da sala
Lá estava você

Rindo como sempre
Me esperando para tomarmos um vinho
Para conversarmos sobre a vida
Sobre o que fizemos

E depois do banho
Da água lavar meu corpo
E limpar minha alma

Do respirar profundo
Para pensar o que haverá de ser
E me preparar para amanhã

Me deito
E ao fechar os olhos
Você se despede com um beijo de boa noite

Meus olhos ficam marejados
Não consigo segurar as lágrimas

E você se despede
Quando adormeço

Nestas lembranças que a vida oferece
Como uma piada maldosa
Do que um dia houve de ser
Nós dois.

Se você não aparecer em meus sonhos esta noite
O que haverá de ser da minha vida amanhã?

Por favor, se não vier
Não quero mais acordar…