Presente vazio

Padrão

amargo
Você me deu
O que falou que daria

Você veio
E fez o que era

Achei
Que seria diferente

Mas não tem diferente
Do que sempre é igual
Do que sempre foi
Do que você é

Nunca haverá de ser
Você diferente
Do que eu queria
Do que eu esperava
Do que eu achava

O lugar é meu
De achar
Esperar
Querer

Você tem
O que quer de mim
Nunca quis mais
Nunca quis menos
Sempre quis
O que é

E eu
Mudo as vírgulas
Os pontos
As exclamações

Fazendo o sentido
Do que eu quero que tenha
Do que eu quero que seja
Do que não
Não é nunca

Agora
Fico sem ar
Quando ele me falta
Sei que é

Na verdade
As palavras
Ausentes
Preenchem o pulmão
De vazio

Essa é a lógica…
Sempre foi, não é mesmo?

Anúncios

Vem comigo, eu cuido de você…

Padrão

amor
Menina
Onde você estava?
Todo dia acordando
Relembrando
Vivendo presa ao que foi
Muito tempo perdido
Muito tempo nessa tortura
De achar que ia ser diferente
Que podia ter sido diferente
Foi o que foi
Foi o que era para ser
E não tem como voltar
Para refazer
Reescrever
Dizer que você sente muito
Ou matar
Então hoje
Eu te trago de volta
Abro a porta
E peço para você vir
Te abraço
Enxugo suas lágrimas
Tenho você em meu coração
Digo que está tudo bem
Que agora
A vida é boa
Que agora o dia tem sol
Que a vida te espera
Para brindar
O que você foi
O que você é
E a vida que é
Hoje
Graças
A quem você foi
Beijo-te o rosto com ternura
E de prometo
Agora
Está tudo bem…

Trânsito divã

Padrão

klein

Hoje
Eu acabei tão tarde
Na volta
Trânsito

Chuva
Frio
A luz ficou diferente
Refletiu no vidro

Lembrei de você
O rádio ajudou
Tocou a sua música

Senti saudades
Saudades do que foi
Saudades do seu rosto
Saudades do que era

Me dei conta
Que senti saudades
Do que nunca tivemos

Saudades do que eu queria

Lembrei da sua última mensagem

Me deu uma tristeza

Minha saudades
É só uma imaginação
Uma lembrança
Uma grande mentira

Porque o homem que você se tornou
Nem de longe cabe
Na minha lembrança
Do homem que você foi

Esse foi o golpe

O semáforo ficou verde
A música acabou
O carro atrás buzinou
Voltei para mim

Onde está você
Homem dos meus sonhos?

E hoje é domingo…

Padrão

Aquele dia que tem tudo para ser um dia de descanso, um dia bacana para não fazer nada ou escolher fazer alguma coisa que nos faça bem.

Mas sem nenhum motivo aparente, parece que o dia está estranho, os sentidos estão estranhos, não tem razão nenhuma para o dia estar estranho, mas simplesmente ele amanhece e continua estranho.

E você se questiona o que é que pode estar acontecendo?

Começa a se questionar e a se cobrar, porque tem um monte de coisas para fazer, ou na realidade, nem tem nada de tão interessante ou importante assim para fazer, mas se obriga a ficar bem.

Nestes dias fico me perguntando: Por que mesmo tenho que ficar bem? Por que mesmo as coisas tem que ser feitas? – Se me parece que na verdade a vida está me obrigando a desacelerar, a respeitar o meu tempo, a respeitar o meu estranhamento em relação ao dia e principalmente, em relação aos meus sentidos que estão estranhos, estranhados, deslocados… Como se uma ressaca tomasse conta de tudo.

Quando “a vida amanhece” e fica assim o dia todo, é o dia de escutar o que seu coração está tentando lhe dizer.

Talvez não seja o melhor dia para tomar decisões, fazer coisas incríveis, fazer coisas que fujam da rotina…

Ou talvez não, pode ser um bom dia para passear no parque, visitar aquela pessoa incrível que faz a sua vida ficar melhor, tomar um sorvete, ver um filme…

Simplesmente um dia para pegar leve com você, com a vida e com o mundo ao seu redor.

Dias estranhos servem para isso: Para pegar leve conosco.

Porque se tentarmos fazer algo e forçar a situação, pode ser que seja um dia estranho e dolorido.

Respeite-se, descanse, desencane…

Se dê uma folga.

Domingos servem para isso, não é mesmo?

ASSINATURA COM NOVO LOGO - WORDPRSS

(Esse texto foi publicado em: http://www.marilicezanato.wordpress.com)