Não posso…

Padrão

pecado

Fingi que estava tudo bem
Que eu estava bem
No lugar de sempre
E fiz o que eu sempre fiz
Hoje eu fiz melhor
Nem sabia que havia melhor que isso
E houve
Eu fiz…
Mas do outro lado da porta
No lugar de sempre
A outra me esperava
E me olhava com piedade
Os olhos baixos eram o prenúncio
E me imploravam um lugar
Uma explicação
Me ordenavam…
Neste dia eu me dei conta
Que o limite entre a razão e o sentir
Entre o querer e o não querer
Entre a sanidade e a loucura
Entre te querer e fingir
Esses limites estão ultrapassados
E me dei conta que
Falta apenas mais um passo
Para eu cair na sua loucura
No desafio de sua falta
No que você quer de qualquer um
E agora quer de mim
Não tenho isso
Não posso te oferecer
Não posso cair em tentação
Pois minha queda será o fim
Do pouco que ainda resta
Até hoje…

O dia que respirar não foi uma escolha

Padrão

morte2

Cai na piscina
Em um mergulho
Na verdade
Em um tombo
Afundei…

Quando me dei conta
Já estava lá no fundo
Sem fôlego
Sem forças
Sem saber como escapar

Dos segundo que se faziam eternos
E eu comecei a ouvir as batidas
Aceleradas do meu coração
Senti o frio na espinha

Como se fosse possível
Senti o calafrio da morte
E ela chegou bem perto
Me olhou de frente
No fundo dos meus olhos

Sorriu e me ofereceu
Ajuda
Disse que tinha vindo me buscar

Me esperava há tempos
Mas há muito que não nos encaramos

A última vez foi quando?
Sete anos…
Algumas profecias acontecem nesse tempo

Fechei os olhos e perdi os sentidos
Mas de repente
A luz azul tomou conta de tudo
E mesmo com os olhos fechados eu pude ver

Pude respirar fundo
E voltar…

De longe ela continuava me olhando
Não se deixando intimidar pela luz azul…

Ela me disse: Não tenho pressa
Eu continuo te esperando
E desse vez eu vim para cumprir a promessa
Mesmo que para isso eu tenha que esperar
Eu sempre te esperarei…

O último café

Padrão

cafee

Olhando nos seus olhos
Separados pela distância de uma mesa
E dois cafés

Palavras que vieram
Na fluidez do dançar das letras
Que eram o espetáculo particular
Alheio a todo o controle

Da risada e do entendimento
Das histórias vividas
E de tudo o que se partiu
Que se quebrou e foi exato

Na medida que não há
Não houve e não interessa
O que já aconteceu

E agora estamos diante
Frente a frente
De nossas histórias
Um do outro

(E agora estamos diante
De nossas histórias
Frente a frente
Um do outro)

Fazendo sentido a tudo
Entendendo o porque tudo partiu
Lá atrás

Porque agora tudo parte
Do sentido que existe
Na conexão das palavras
Dos olhares
Dos cafés

E de tudo mais o que não importa
Porque a partir dessa tarde
Toda a vida fez (faz) sentido

E o que era raro
Despertou dentro de mim
Do que eu tinha para dizer
Mas não havia

Do encaixe das palavras
E você me decifrar
No que não foi dito
E no que eu não preciso explicar
Pois tudo faz sentido

E é isso
Você faz sentido
Você trouxe sentido
Você trouxe luz…

Então essa escuridão toda
Havia uma razão de ser
E hoje faz todo o sentido

(Eu tenho sentido…)

Luz e escuridão
Cafés e palavras

Dessa vida inteira
Que esperou para ser
E agora é…

Estou aqui

Padrão

amor em segredo

E hoje eu fingi que nada aconteceu, que era um dia comum como outro qualquer
Mas na verdade, só eu sabia que não era

Depois de te encontrar ontem e fingir que estava tudo bem
Que eu aceitava as suas condições
E me permiti por um momento passar por cima de meus valores
E inclusive aceitar que você estava fingindo ser sincero comigo

Quando disse que ela era passado e que não estava mais em sua vida
Você deixou muito claro com o brilho no seu olhar o lugar que ela realmente ocupa no seu coração
Mas para estar com você, eu ignorei
Porque estar com você sempre é muito mais do que incrível

E agora, me pego com esse vazio no meu peito
Sabendo que eu aceitei as condições
E por um dia inteiro, espero uma mensagem
Algo que traga sua presença de volta para mim

E agora ficou aqui
Sozinha, revirando minhas memórias mais recentes
E torcendo por uma próxima ligação, mensagem
Para um próximo…

E será que algum dia você vai notar que eu estou aqui? 

Tudo ao mesmo tempo agora

Padrão

amor nao correspondido2

O que eu posso fazer se você não quer
E não é porque não foi dito
Porque as palavras são capazes
De aniquilar o que nunca foi prometido

Mas que a cabeça foi além e muito capaz
de fantasiar, desejar, permitir

E segue assim os dias em que a imaginação
De uma vida que há de ser diferente
Em que o amor há de invadir
E preencher todos os espaços que ficaram vazios
Por conta do amor anterior

E assim a vida continua girando
E os dias continuam correndo contra o relógio
Do tempo em que haverá de ser o fim

Fim da realidade
Fim da fantasia
Fim do querer
Ou fim de algo
Que nem nunca existiu em realidade ou fantasia

De uma vida que vive a mercê de ser
Caminhando paralela a linha imaginaria
Em direção ao infinito

De uma existência que anseia por ser
Em uma complexidade de pensamentos
De devaneios e loucuras
Assistidas pelo semblante sereno e lúcido

De que um dia haverá de ser tudo
A vida que fará sentido
E de tudo o que foi sonhado e poderá ser colocado
Diante dos olhos, dentro do coração
E de mãos dadas com a felicidade
De um amor pleno
De uma vida bela

Para saber que a espera valeu a pena
E assistir ao pôr do sol juntos
É apenas o começo de tudo
O que a vida tem a nos oferecer.