Estou chegando

Padrão

ante_o_ceu_estrelado_looking

Abri a porta

Estava lá
Desta vez
No reencontro
No sorriso maroto
Na nostalgia
Da história que houve
E acabou….

Agora
Na ponta do dedo
Item a item
Peça a peça

Um dia de cada vez

Agora é aqui

Eu escolho apreciar
Sentar no chão
Ver as estrelas

Eu te convido
E muito breve

Te prometo

Voltaremos a nos encontrar

E te darei o céu
Meu maior amor
Minha vida
Meu tudo

Paciência
Quase está na hora

Por enquanto
Guarde nosso segredo
Em nossos corações…

Eu estou voltando para casa
Estou
Voltando para você

Anúncios

Fim

Padrão

morte veio me buscar

Hoje

Você tem que deixar tudo aqui

Não pode levar nada

Não pode dizer nada

Hoje é  o seu fim

Estamos te liberando

Para que você faça

O que quiser

Com a sua vida…

E lá no fundo…
Ouço uma risada engraçada
Querendo me dizer
Você que escolheu
Esperando o tempo certo
Para começar ela
Mas na verdade
A partida desse jogo
Começou há muito tempo atrás

E você ai
Esperando a autorização
O momento certo
O lugar….

E percebeu
Que não tem mais outra vez
Não tem mais outra chance
Não tem mais…

Hoje acabou.

E o que você fez dela?

Nunca conseguirei

Padrão

jardim
Eu sempre tento

Da experiência
Transformar em palavras
Para eternizar
O que é nossa vida
Na verdade
O que eu sou
Com você

Dessa experiência
Que eu tenho
De você…

Nunca saberei
O que é a sua experiência
De mim…

Mas você sempre volta
Então posso entender
Supor
Ou querer interpretar

Na verdade
De querer ter um sentido

Como se houvesse de haver um
Para que as coisas ficassem
Eternizadas….

Mas eternizar
O momento
Me parece ser
Algo desonesto
Demais
Para o que é
A grandiosidade
Do que é…

Mas enquanto isso
Eu fico repassando a cena
O momento
Querendo sentir de novo
O que é impossível

Me parece
Que esse é o lugar…

Querer eternizar
O que foi
Ao invés
De apenas deixar
Ser…

Do frio que é

Padrão

frio

Outro dia era cansado
Depois virou confusão

As palavras
As reflexões
O pensamento era cinza

Do sonho que também
Era cinza

E de repente
Começou a fazer frio

Mas o frio não diz respeito
Ao cinza que tomava conta
E preenchia tudo

O cinza era apenas
A melhor expressão
Do que havia sobrado

Agora tem sol lá fora
E as cores tomam formas
Preenchem os espaços
Fazem sentido ao que não tinha

Mas faz frio

Cada coisa em seu lugar

Na dimensão do que pode ser sentido
E do que pode ser visto
DO que pode ser experimentado

E de tudo o que há de vir
Porque essa vida está pedindo
Novos caminhos…

Ato falho das palavras
E me pego querendo Calor…
Mas será isso mesmo?