Presa no pesadelo

Padrão

pesadelo1
Hoje eu sonhei
Como se estivesse presa
Fugindo no tempo
Escapando de algo
Me mudando de vez
Deixando as coisas para trás…

De repente
Peguei coisas
Joguei outras fora…

Lembrei
De ter mexido no armário
E encontrando coisas
Não sabia de quem…

E tudo ficou misturado
Com a revelação do dia
Da notícia
Que veio para devastar
E quebrar mais uma vez
Meu coração…

E a música tocava
No sonho
Como se fosse verdade
A realidade do dia
Se misturava com a saudade
De rasgava
No sonho…

Acordei
Da noite que não dormi

Agora
Fico aqui
Na dúvida
Se choro
Se rezo
Se durmo
Ou
Se desisto de novo
Mais uma vez
De tudo….

Anúncios

Prenda a respiração e pule

Padrão

fim
Hoje eu cogitei
Como há muito
Não pensava

Em desistir

Cansei de procurar
Cansei de fazer
Cansei de querer
Cansei de tentar
Cansei de sonhar
Cansei de amar
Cansei de entender

Cansei tanto
Que desistir era o mais belo refúgio

Quando nada mais faz sentido
Quando nada mais tem o porque
Da vida que se faz vazia
Das bebidas que não entorpecem mais
Do cigarro que deixou de fazer companhia

Daqueles dias
Que levantar da cama
É a tortura maior

Ir para a vida
O sacrifício inescapável

Colocar o sorriso
A melhor roupa e ir
Rezando para o dia acabar
Para voltar para casa
E fechar a porta

Ficar no escuro
Ficar no silêncio
Ficar na cama

Ficar em paz

A eternidade chega quando?

Acho que é só cansaço

Padrão

game
Olho ao redor

E vejo um monte de coisas para fazer

Posso arrumar afazeres
Ou distrações
No estalar dos dedos

Mas é como se de repente

Algo tivesse perdido o sentido

E me lembro de você
Das nossas conversas
Do que um dia foi
Do que um dia eu achei que era
Do que um dia eu quis que fosse
E do que na realidade era

Nada disso se encontra
Lá no final da túnel
Ou no final das contas

É tudo isso mesmo…

Eu fingia que acreditava
Você se esforçava para suportar

E acho que você foi sincero
Mas eu não escutei

Tudo não passada de nada mesmo, não é mesmo?

O dia que eu morri

Padrão

morte

Quanto tempo foi?

Que eu deixei você?

Sai
Larguei tudo para trás

Nao fiz mala
Larguei discos
Cartas
Lembranças
Histórias

Larguei você…

Da vergonha
Que sangrou
Quando os olhares
Me contaram
O que eu não vi

Porque estava presa
Porque estava apaixonada
Porque estava cega

Eu nem sabia
Nunca passou pela cabeça
Que isso existia

E senti
A lâmina atravessar
Meu peito
Atingir em cheio
Meu coração

Naquele dia
Eu cai
Sangrei

Morri…

E na morte
Esqueci de te buscar
Para partir comigo

Deixei você só

Hoje
Volto

Hoje
Te estendo
A mão

Venha comigo

Não tenha medo

Aqui
Você está a salvo
Aqui
Há luz
Aqui
Eu posso
Te dar
E devolver

Vem
Comigo
Meu amor

Eu nunca mais
Deixarei você.

Não vou mais te atender

Padrão

porta trancada

Eu nunca te agradeci
Quando você veio
Chegou
Aconchegou
Fez morada

Mas quis mais
E nunca te ofereci
O que você merecia

Porque sabia
Da verdade
Que todo mundo sabia
Guardou
E riu
Como
Obviamente
Achava
Que eu sabia

E no fim
Pediu para ocupar o lugar
Do inocupável
Me pediu
O “impedível!
E maltratou
O “inimaltratável”….

Tudo bem

Hoje
Você chama
E até hoje
Espero
Que você me diga
Era mentira
Você quer uma nova chance?

Mas tudo bem
Hoje
Está tudo bem
Mas

Por favor
Não me ligue mais.

Fingi que estava ouvindo

Padrão

silêncio-1

Ontem você veio aqui
Foi legal
Até que foi

Mas houve um momento
Muito maior do que eu esperava
Que você começou a falar
E disparou o que havia
E foi longe demais

Não penso nas consequências
Não pensou que poderia rasgar
Ir mais longe do que deveria

E foi mais uma vez

E durante o caminho
Quando estávamos partindo

Pensei em como havia me metido lá
Como foi mesmo que eu deixei
Isso ir tão longe

Quando te coloquei no altar
Fiquei ajoelhada tempo demais
Devo ter sofrido um apagão

E agora que acordei
Descobri
O quanto existe de chatice
No que é você

E não é a toa
Que tudo está como está

Eu deixei
Nessa história
Definitivamente
Eu acreditei
E deixei ir
Longe demais.