Abriram as portas do inferno

Padrão

coraçao negro

Acordei
Você me mandou mensagem
Logo você
Que nem eu sabia que você sabia
Que eu era eu
Achei apenas que tinha sido
Por educação
Deixar eu fazer parte do que há

Conversamos
E a conversa foi longe
Você me ligou
Meu radar estava certo
Algo estranho estava acontecendo…

Dois dias depois
Como assim?
Recebi outra mensagem
De outra pessoa
Daquelas que são tão absurdas
Que temos medo de estarmos sendo filmados

Deve ser uma piada sádica do Universo
Daquelas que ele manda para testar
Para ver o quanto estamos conscientes
O quanto estamos centrados
O quanto a vida fez a gente aprender

E eu ri alto
Fiquei olhando para o céu
Entendendo que nesta vida
Eu deixei
Eu pedi
De tanto zoar e rir das coisas
Foi a hora da vida rir de mim

Nessa semana
Ela zoou tão profundamente
Que eu fiquei pensando
Quase eu me deixei cair
Quase eu cai na piada

Mas quanta perversidade

Mas não há de ser nada
De perversidade
Eu fui mestre um dia

Não ter uma recaída
Mostra algo incrível….

Meu coração finalmente
Descansa em paz
E não esta mais entre nós.

Entendeu universo?

Anúncios

Caminhar no escuro

Padrão

ruas_escuras

Me peguei pensando em você
E fazendo coisas para você
Fazendo coisas por você

Me disseram que a culpa é minha
Que eu tenho que fazer algo
Que se eu não fizer
Eu me arrependerei

Me arrependerei
Porque eu sei demais
E eu sabia que um dia
Essa conta seria cobrada

E se eu me perdesse
Todos sofreriam as consequências

Eu escolhi
Não me perder
E mesmo assim
A conta chegou

Do que um dia houve
Eu seu o que houve
Não sei se pedi para saber
Mas soube

E a partir dai
O misto de leveza
Com o peso de saber

O misto de revolta
Com a liberdade do saber

Me deram um presente
Que é pesado demais de se receber

E por momentos
Eu quis não saber
Eu quis ser igual
A todo mundo

Mas não
Vim com um opcional de série
Que me deixa ver além do véu

E nessa eu me perdi

Voltei a pensar em você
Na minha responsabilidade
Na minha culpa

E nas chaves que eu sempre
Quis ter em minhas mãos

Descobri
Que talvez nunca
Nesta vida…

Pensei em você
E se você se perdeu

Sou eu que tenho que te buscar?

O que nunca você saberá… Parte II

Padrão

infierno

Esqueci de dizer
Sobre aquilo tudo que
Nunca na vida você poderá saber

Mas dos caminhos que eu escolhi
Uma vez
Eu quase tive sucesso
E foi quase por um triz…

Mas algo além
Do nó que cortava a minha garganta
Da força que me prendia a minha cama
Do desejo imensurável de não mais sentir
E de não mais pertencer

Um portal me foi oferecido
E me deixaram descer
E relembrar lugares que já havia habitado antes
Mas que não estavam mais presentes em minhas lembranças

E a cada passo que eu dava
Em direção ao que um dia houve de ser
E até ontem se fazia encoberto
Pelo véu do esquecimento

Eu pude ver
E estava acompanhada
Por eles que um dia fizeram presente
Presença e sustentação
E agora são
A ausência de luz de lá
Mas presença de luz aqui

E me foi ofertada
Uma chave
Que abriu a única porta
Que estava trancada
Com os segredos

E ao abrir este portal
Eu ví
Eu senti
Eu revivi
Eu desconcertei
E descontrui

Tudo o que eu havia inventado
Criado e construído
Para ser minha fortaleza e morada segura

E me mostraram o que eu jamais poderei revelar
Mas que entendo
“Fui tudo culpa minha”
E se eu escolher voltar lá
Através de atalhos

Eu me encontraria
Com minha pior faceta
E nesta pior faceta
Todos os que eu deixei cair
Um dia
Cairiam novamente

Por minha culpa…

E por isso só
Bastará para que não tivesse
Uma enésima chance

Simplesmente por que a escolha foi minha

E sim
Eu nunca poderei lhe contar isso
Porque você nunca poderá saber
Que eu cai
Lembra?

Que eu um dia
Tive motivos
E cheguei muito perto
Como você

De tentar a rota de fuga
Daquele atalho
Que hoje,
Em meus caminhos
Se mostra sempre a disposição

Mas não é mais morada segura
Pois o que há a ser vivenciado
Experimentado e oferecido
É barato demais

Para tudo o que hoje
A vida oferece

E assim
Seguem meus dias

Como se houvesse uma cicatriz
Que me mostrasse sempre
Por aqui
Não mais.

Mas nunca…

Eu nunca poderei lhe contar isso…

Meu incomodo

Padrão

inferno

A respiração agora é pesada
Em sintonia com o coração
Que bate violentamente
Dentro de meu peito
Que é vazio

E o eco das batidas
Em consonância com o silêncio
Fazem a batida perfeita
O vazio perfeito
O silêncio perfeito

Preenchido pelas batidas
Do meu coração
Que hoje não me pertence mais

Deixei ele para trás há tempos
E não me recordo em qual esquina
Qual pessoa
Ou qual data

E disse adeus
Prevendo o fim
Do que nunca houve de ser

E assim segue a vida
Dos dias e noites
Das repetições do destino
Do que tem que ser feito

E que há muito tempo é

E fico ensaiando minha saída
Silenciosa deste mundo de fantasia
Em que pensam que tudo é perfeito
E nada me falta
E que eu não posso ousar reclamar
Mal dizer ou praguejar

Em que eu não posso respirar
Me apaixonar
Me matar

Sem que haja alguém para dizer
Que independente do que é

Está errado

Errado está há muito tempo
E hoje eu só atravesso
Perpasso a minha existência
Contemplando os gozos alheios
As perspectivas de futuro
De pessoas que sabem seu lugar
Ou o que fazem por aqui

Eu
Eu?
Eu estou por aqui
Estou por ai
Sempre me equilibrando entre dias e noites
Palavras e silêncios
Máscaras de perfeição
E de auto ajuda

Procurando minha saída
A rota perdida
O pote de ouro
O lugar perfeito

Ou
Apenas
O silêncio que me preenche
E acalanta minha alma
Minha vida e meu coração.