Aquele segredo

Padrão

atras da porta

Você me tocou?
Lembro
Que um dia
Atrás de uma porta

Eu não consigo me lembrar
Mas eu sei que alguma coisa
Que mudou tudo
Da infância
Da inocência
Da doçura

Alguma coisa aconteceu
Atrás daquela porta

Foi alguma coisa grave
Que outras pessoas fizeram silenciar
Confundiram as percepções
Disseram que não era nada demais

Era sim
Porque até hoje
Essa coisa toda está no meu corpo
Preenche minha mente
E me paralisa

Me faz chorar dia sim
Dia não
Me faz não fazer
Me faz não ter coragem
E me escondo

Nas roupas
Nas palavras
Na comida
Na vida

Ela foi amarga desde o começo

Como alguém tem coragem?

E desde então a vida acabou.

Anúncios

Lixo

Padrão

lixo

Sinto muito
Ninguém vai te pegar no colo
Ninguém vai cuidar de você
E dizer que a vida vai melhorar

Ninguém vai apoiar seus sonhos
Para piorar as coisas
Ainda vão fazer você escolher errado
Porque as suas escolhas são lixo

Sim
Não só a roupa que você está escolhendo
É a mais feia e não combina com você
Mas tudo o que você toca vira lixo

E assim você vai crescer
Acreditando que seu cabelo é um lixo
Seu corpo é um lixo
Suas escolhas são um lixo
E você só serve para fazer
Suprir e obedecer o que te mandarem

Qualquer pessoa que mandar em você
Qualquer conhecido ou desconhecido
Qualquer um tem mais valor e sabedoria
Mais entendimento e poder que você
Sobre a sua vida e as suas escolhas

Você nasceu apenas para preencher um buraco
Ser uma desculpa
Ser alguma coisa
Mas não era para você viver

Mas você acabou nascendo
E esse plano não estava nos planos

A intenção era só separar

Mas você nasceu
E atrapalhou todos os outros planos

E desde então você é isso
Um atrapalho na vida
Um lixo no meio do caminho
Que ninguém tem coragem de colocar para fora

E enquanto isso
A vida está passando
E o único desejo
É que o fim se aproxime
Para que no final das contas
Esse coração possa parar de sangrar de vez.

Perguntei sem querer

Padrão

falei demais

No meio da conversa
Das palavras que dançavam
Entre idas e vindas
Vindas e idas

Eu me peguei perdida
No que me era dito
Da habilidade
Na labilidade

Não dei conta

Sem querer
Falhei

Juro
Não foi por mal
Na mania de explicar
Acho que me peguei
Querendo preencher
O que não era

E meu corpo inteiro congelou
Por uma fração de segundos
Fui do céu ao inferno

E senti a pulsação
Das batidas do meu coração
Do ar frio que entrava
Em meus pulmões

Não sei como
Consegui continuar
Presa ao chão

Pois fui eu mesma
Que abri o buraco

Demorei um tempo para entender
Do que era tudo isso afinal

Mas dessa brincadeira
De mentir e não contar a verdade
Eu já decidi
Não quero mais

Boca seca

Padrão

tristeza-Livres-de-todo-Mal

Sono
Esse gosto estranho na boca
E não lembrar do que aconteceu ontem

Mas não é ressaca
Não são as drogas
Elas apenas dão entender
Mas não dizem respeito
E não afirmam nada

Elas apenas embotam
Deslocam
Desencaixam
Fazem anestesiar

E hoje você cutucou
Me perguntou o que era
Óbvio demais para qualquer um

Mas estúpido demais para mim

Eu tinha me esquecido
Parei de pensar
Pare de olhar

Eu já tinha sido provocada
Mas achei que era besteira

E aconteceu de novo

Agora eu fico aqui
Sentada e alheia
Olhando para o redor
Procurando vestígios
Detalhes do que eu esqueci
De que era a vida

Do que um dia foi esse lugar
Do que era realmente para ser

Mas agora tanto faz
Você decidiu
Você me disse

A verdade é que você acertou

Agora
Eu vou voltar para casa.

Como ser normal?

Padrão

porta-verde-trancada_434-19316046

Está errado
Faça desse jeito
Não faça assim
Não faça isso
Mas porque você não faz de outra maneira?

E nas tentativas
De sair do quarto
De tentar chegar até a porta da sala
Sair de casa

Até lá
Não se trata só
De uma vida

Se trata de existir
De ocupar um lugar
No mundo

Mas enquanto isso
A porta do quarto fica trancada

E a memória toma conta do corpo
E a memória do abuso preenche
Toma conta do ar
E a respiração fica difícil
A cabeça dói

Melhor dormir
Lá ninguém pode me incomodar
Lá ninguém entra sem eu permitir

Lá é o único lugar
Que eu posso acreditar
Ser dona da minha vida…

Minha esquizofrenia tem nome

Padrão

loucura-ou-sabedoria.jpgQuando eu lia suas mensagens
Meu coração transbordava de emoção

Eu voltada no tempo
E voltada nas palavras
Voltada no que eu desejei
Um dia
Com alguém

E te encaixei nesse lugar
Fiz você ser essa pessoa
Fiz você se passar
Por toda uma história
Que eu contava para mim mesma
Na minha cabeça e no meu coração

Brincando de juntar palavras
Recortes de revistas
Recortes de histórias
Que eu mesma contei
Para que a vida tivesse sentido e cor
Enredo e vontade
Lugar para ser e seguir

De repente
Como em uma pausa brusca
Me dei conta que fiz bobagem

Forcei a situação
Da vida
De mim
E de meu coração

Contei tão bem a mentira
Que custei a acreditar
Que eu criei tudo isso

Cheguei a chorar
Sofri e até fiquei triste
Daquelas tristezas que eu gosto
De ficar na cama
Pensar que a vida acabou

Mas na segunda feira
Na hora que o despertador tocou
Lembrei que era mentira

E fiquei estranhada comigo mesma

Fiquei com raiva de mim
Como se tivesse raiva de alguém
Quis cobrar meus direitos
Ir lá dizer umas verdades
Mostrar o quanto eu sofri

Mas de quem eu ia cobrar essa dívida?
Se a culpa foi minha

E hoje estou aqui
Sentada e perplexa
Com a minha esquizofrenia inventada
Do meu romance de araque
Das bobagens que eu deixei
Que eu fiz

E que castigo eu dou para uma criatura dessas?
Se qualquer invenção pode ser um ponto
Para encontrar o equilíbrio
E fazer uma nova história…

Até quando você vai ficar?

Padrão

PassarinhoGaiola

Você me mandou uma mensagem
Eu parei para dar uma olhada no celular
E quando era você
Tiver certeza que era dele
Das trezentas mensagens que vem na sequência

Não entendo o motivo
Mas eu ainda te dou atenção

E leio tudo…
Mentira
Eu leio um resumo
Que eu faço mentalmente

E no final das contas dá sempre no mesmo

Ser ou não ser
Dar ou não dar
Ser feliz ou desistir?

Deste ensaio
De querer ter tudo
Mas não entregar nada

De prometer amor eterno
Até a próxima esquina

De querer ser único
Quando nem na sua vida
Você sabe o seu lugar

De aceitar as migalhas
Do lugar que você escolheu ficar

E quando a atenção vem
Você desvia
Se faz de desentendida
Louca e profana

Não quer
Não aceita
Não faz sentido

Mas o que faz sentido afinal?
De tudo o que você tem e não goza
De tudo o que você é e não vê
De tudo o que você pode… e não fode

E suspiro
Pensando no que escrever
Não dizer
No dizer

Não vai fazer diferença alguma
E agora eu vou ficar em silêncio
Porque de presença ou ausência
Para você tanto faz…

Tanto faz do lugar que você
Nem sabe que ocupa na sua vida…