Trânsito divã

Padrão

klein

Hoje
Eu acabei tão tarde
Na volta
Trânsito

Chuva
Frio
A luz ficou diferente
Refletiu no vidro

Lembrei de você
O rádio ajudou
Tocou a sua música

Senti saudades
Saudades do que foi
Saudades do seu rosto
Saudades do que era

Me dei conta
Que senti saudades
Do que nunca tivemos

Saudades do que eu queria

Lembrei da sua última mensagem

Me deu uma tristeza

Minha saudades
É só uma imaginação
Uma lembrança
Uma grande mentira

Porque o homem que você se tornou
Nem de longe cabe
Na minha lembrança
Do homem que você foi

Esse foi o golpe

O semáforo ficou verde
A música acabou
O carro atrás buzinou
Voltei para mim

Onde está você
Homem dos meus sonhos?

Anúncios

Pontos de Luz

Padrão

PONTOS DE LUZ

Estava lembrando
Quando você tocou minhas mãos
Fechou os olhos
E me levou

Eu deixei você ir
Você sabia
E foi longe

Me disse
O que ninguém
Nunca ousou dizer
Porque na verdade
Ninguém nunca ousou saber
Nem havia maneiras para isso…

Simplesmente tinha de ser alguém
Assim como você

E honra foi o que me veio a cabeça
Das lágrimas que ficaram presas
Mas brilharam nos olhos

Você disse
Que nunca havia visto algo igual

Dos pés que não ficam no chão
Da cabeça que pesa
Dos olhos que doem
Dos ouvidos que vão além

De tudo isso
Que ficou sem compreensão

Mas você respeitou

E me deu de presente
A contrapartida
O que era
E tem de ser

Entendeu
A atração
A dificuldade
Em ficar aqui

Não julgou…

E mais uma vez
Me deu muito mais
Do que eu imaginava
Que poderia ser

Porque você
É
E sempre será
Minha mestre…

Com amor
E gratidão…

O dia que respirar não foi uma escolha

Padrão

morte2

Cai na piscina
Em um mergulho
Na verdade
Em um tombo
Afundei…

Quando me dei conta
Já estava lá no fundo
Sem fôlego
Sem forças
Sem saber como escapar

Dos segundo que se faziam eternos
E eu comecei a ouvir as batidas
Aceleradas do meu coração
Senti o frio na espinha

Como se fosse possível
Senti o calafrio da morte
E ela chegou bem perto
Me olhou de frente
No fundo dos meus olhos

Sorriu e me ofereceu
Ajuda
Disse que tinha vindo me buscar

Me esperava há tempos
Mas há muito que não nos encaramos

A última vez foi quando?
Sete anos…
Algumas profecias acontecem nesse tempo

Fechei os olhos e perdi os sentidos
Mas de repente
A luz azul tomou conta de tudo
E mesmo com os olhos fechados eu pude ver

Pude respirar fundo
E voltar…

De longe ela continuava me olhando
Não se deixando intimidar pela luz azul…

Ela me disse: Não tenho pressa
Eu continuo te esperando
E desse vez eu vim para cumprir a promessa
Mesmo que para isso eu tenha que esperar
Eu sempre te esperarei…

Te entendo na alma

Padrão

PRINCESS

Você me disse que tem que ser forte
Que tem que dar conta do mundo
Das coisas e estar lá
Para o que dér e vier

E que não estar bem
Te coloca em um lugar estranho
Porque os outros precisam de você

E você se diz responsável por isso

E me disse que se as pessoas
Tem diante delas mesmas
As possibilidades e caminhos
Para fazerem o bem
E elas não o fazem…
Isso tira delas o que pode haver de melhor
Mais puro e nobre em uma existência…

Te olhei
Tentei entender
Compreender a profundidade das suas palavras
Na hora demorei para entender
E processar a grandiosidade do que me era oferecido

Talvez
Neste momento
Você também estivesse falando de si

De estar em falta com o mundo
Com as pessoas que esperam
O seu sorriso
O seu bom dia
A alegria que só você tem…

De alguma maneira
Estar em falta com você mesma…

Então menina
Te peço
Só por hoje

Confie
Que a vida que se oferta
Que lhe é oferecida a cada amanhecer
É sua…
Só sua

E se a bondade
Não lhe ocorre onde estás

Não se culpe
Não se torture
Não pegue para você
Não seja escudo…

Pois sendo escudo
Tu escondes de ti mesma
Todo o amor que há a ser oferecido
E que as pessoas esperam de ti!

Porque tu és menina…
Luz!

E quando ela é da alma
Não há desencaixe
Não há dúvidas
Não há incertezas…

Se isso te aflige…
Tenha certeza:
Isso pertence apenas as trevas que estão ao seu redor.

As vezes brilhar dá trabalho…

Do talvez que você aceitou

Padrão

luz.jpg

Estes dias estão tão corridos

Da correria que eu adiei
Empurrei até onde deu

Achei que se ignorasse
Essas questões sumiriam
Mofariam e eu descartaria

Mas foi justamente o contrário
De tanto adiar
Elas cresceram
E vieram bater aqui na porta

Tudo bem?
Podem entrar
Aceitam um café?

Fui pensando em tudo
Colocando tudo no devido lugar
Pensando nas coisas da minha responsabilidade
Do meu lugar e do meu querer

Sem querer não tinha me dado conta
Até agora
Que eu esperava que alguém passasse na frente
Pegasse para sí
Levasse embora
E resolvesse

Mas desta vez foi diferente

Ninguém atravessou na frente
Ninguém pediu a guarda
Dos problemas que eu carregava

Ninguém quis assumir

E agora eu estou
Prestes a dar a luz

Mas calma ai
Eu não tinha me dado conta

Estou prestes a dar
A luz
Ao lugar
Que é meu
No mundo
Na vida
Em mim…

Tudo bem…
Eu assumo daqui para frente.

Dos olhos azuis que eram verdes

Padrão

por do sol.jpg

Dessa paisagem
Vendo o sol se encontrar com o horizonte
E as ondas que vem e vão
Do seu som das águas que dançam
Do vento de bagunça meu cabelo

Me perco no infinito
Das idéias e pensamentos
Que cruzam o mundo da imaginação

Me recordo
Que em algum momento
Desta vida houve amor
Amor por alguém que fez
A vida se desencaixar
Mas fazer sentido

De você que cruzou meu caminho
Como nunca alguém fizera antes

Dos olhares que se cruzaram
E nunca mais

Sabendo que até hoje
Esses olhos me fazem calar
Silenciar diante da beleza
Que se apresenta
E representa
O que não pode ser explicado por palavras

E eu me achava curada
Como se houvesse cura para o amor
Ou para um coração partido

Já faz bastante tempo
Tempo suficiente para não lembrar
Ou acreditar que foi loucura
Ou que nunca aconteceu

E me dei conta
Que nunca mais te encontrarei
Porque nunca você fez sentido
Do jeito que eu achei que era

E nunca mais nos cruzaremos
Nos encontraremos
Seremos um par

Nunca mais

Olho o horizonte novamente
E o sentimento inunda o meu peito

Da certeza de que nunca mais
Da mesma maneira
Que nunca poderei tocar
A linha do horizonte em contato com o sol

Do amanhecer ou do anoitecer
Certezas da vida
Realidade rasgando meu peito

Mas
Que sentimento mesmo?

Luz e sentido

Padrão

vela

Uma vela acesa em cima da mesa é apenas uma vela
Mas olhando para ela
O que estou querendo que ela me diga?
Por si só é luz
Por si só é presença
Por si só se mantém

E na escuridão, ela se faz presente
Preenche o vazio
Preenche o que pode estar desconectado

Mas além disso…
Ela não consegue preencher espaços que são trazidos pela escuridão

É como se a escuridão fosse capaz de abrir portais para lugares desconhecidos
A escuridão é solitária, silenciosa e misteriosa.

E o tempo não passa…

A vela vai diminuindo conforme avançam as hora e a chama se faz presente e permanente
E nos deparamos com nossos temores, nossas faltas

No escuro não sabemos quem somos
Porque não estamos acostumados a fazer este mergulho
Ao outro lado
Ou nosso lado de sombra e escuridão

Vale o mergulho ou é melhor carregar sempre a caixa de fósforos?