Sem entender

Padrão

alvoUm dia você me liga
No outro você desliga

Mando um Oi
Você responde
Dias depois

Sempre tem uma desculpa

E eu deixo
Caio em todas
Deixo elas todas
Fazer sentido…

Nem ligo

Mas estou pensando
Ligo sim

Ligo demais
Para você
Em minha vida
Em meus pensamentos
Em meu coração

Mas você
Nem sei mais
O que é
Ou o que será

Talvez nunca tenha sido
O que eu achei que era

De ficar ignorando
Fingindo ou mentindo
Para mim mesma
Comecei a acreditar
De verdade nessa história
De amor…

Eu inventei tão bem
Que agora virei refém
De meu amor
Platônico
Por alguém…

Você me manda um Oi…
Minha vez de brincar com você…

Aquele segredo

Padrão

atras da porta

Você me tocou?
Lembro
Que um dia
Atrás de uma porta

Eu não consigo me lembrar
Mas eu sei que alguma coisa
Que mudou tudo
Da infância
Da inocência
Da doçura

Alguma coisa aconteceu
Atrás daquela porta

Foi alguma coisa grave
Que outras pessoas fizeram silenciar
Confundiram as percepções
Disseram que não era nada demais

Era sim
Porque até hoje
Essa coisa toda está no meu corpo
Preenche minha mente
E me paralisa

Me faz chorar dia sim
Dia não
Me faz não fazer
Me faz não ter coragem
E me escondo

Nas roupas
Nas palavras
Na comida
Na vida

Ela foi amarga desde o começo

Como alguém tem coragem?

E desde então a vida acabou.

Quem se importa?

Padrão

cemitério

Me desejaram um bom dia
Uma pessoa que eu nem sei quem é

Mas ela me desejou
Um bom dia

Ela nem sabe
Que eu não sei o que é esse dia
Do que se trata comemorar alguma coisa

Porque quando eu chego em casa
Tudo o que eu faço lá fora
Fica lá fora

Como uma máscara que eu uso
Diariamente
Com sorrisos e palavras
Delicadezas e sentimentalidades
Verdades e seguranças

Eu sou realmente a prova de tudo isso mesmo

No final das contas
Um dia ouvi que o escritor não representa a sua obra
No meu caso isso serve

Não represento nada
Represento a farsa
Do fracasso dos aspectos
Que subjugam a abstraem

Mas eu não posso falar isso em voz alta
Isso não pode ser colocado em lugar algum
Isso não importa a ninguém

Nem a pessoa da porta ao lado
Nem a pessoa que mora do outro lado do mundo

Mas no final das contas
Ninguém se importa mesmo

Se eu não estiver mais aqui amanhã
No final das contas
Ninguém simplesmente
Se importará…

Ninguém se importa.

Demorei, mas liguei

Padrão

help.jpg

O seu telefone eu sabia de cór
Sei ele desde que eu te liguei a primeira vez…

E desde então, muito tempo passou
Eu esqueci de ir um dia
Esqueci de ir de novo
E assim foi até que você deu nome
Para o que eu não sabia o que era

Eu desisti
Me lembro das desculpas
Que eu inventei para não ir mais

E das responsabilidades que eu quis
Menti e inventei
Mas eram a minha verdade
E mergulhei de cabeça
Para me curar

Entre idas e vindas
Verdades e Mentiras
Saudade e Certezas
Eu ia e vinha
Para lá e para cá

Nos esbarramos algumas vezes
Mas nada de certo…

Apenas que eu ainda tinha você
Lembrava do seu contato…

De repente o céu ficou cinza
A chuva veio com o vento forte
Me encolhi esperando a chuva passar

Já chove já três meses
Eu sei onde começou
E ela inundou
Devastou tudo o que havia

Perdida nesse lugar
Eu lembrei do seu número
Guardado na minha caixa de primeiro socorros
Caixa de Salva Vidas

Tremi
Peguei o telefone
Disquei
Deixei o recado…
Tremi…

Você me ligou
E sua voz sorriu para mim
Me abraçou
E eu entendi

Obrigada
Por jogar a bóia…
Eu aceito.

Você me aceita?

Não olhe embaixo da cama

Padrão

cama1

Entendi tudo
Sua loucura ultrapassou o limite
E agora você transborda
A maldade que você mesma criou

Das vozes que falam ai dentro
Do que te dizem para fazer
E lhe alertam que é urgente
Preciso tomar cuidado
Não confiar em ninguém
Desconfiar de tudo

Mas do que mesmo?
Porque você criou tudo isso
E agora tem que ficar se esquivando
Lembrando e mentindo
Se equilibrando entre as coisas
As maldades que você mesma inventou

E está sentido na pele
O gosto amargo do que você falou
Do que você lançou no tempo
E plantou no coração
Da única pessoa que um dia poderia

Mas nunca será
E sua maldade transborda
Fazendo do amor a manipulação
A mentira morada segura

Controlando os passos
As respirações
Buscando rastros
Migalhas e se contentando
Em ser o que acha que é

Mas deste jogo
Da manipulação
Você é apenas aprendiz

Pois para te ter por perto
O mestre se tornou jogador
E mexe as peças e palavras
Como ninguém

E nesse equilíbrio
Do movimento das peças
Das artimanhas e manobras

Você perdeu
Esse jogo você perdeu faz tempo!
O jogo acabou faz tempo!

E sabe o que te resta?
Migalhas!
Sim
Migalhas!
Pois é isso o que você é!
Migalhas!

Então não tenha pressa
Mantenha a calma
O seu segredo já foi descoberto

Apenas
Respire fundo
E continue
Apenas
Apreciando a vista

Pois o seu tempo
Acabou.

Fingindo demência

Padrão

abstrai-e-finge-demencia

Depois de anos luz
Você resolve mandar uma mensagem
E ela não começa com um “Oi”
E sim com um “O que foi que eu te fiz?”

E daí em diante foi ladeira abaixo
E eu me fez lembrar o porque do meu silêncio

Porque eu até queria ser legal
Simpática e disponível
Mas você chegou chutando a cadeira
Batendo a porta e colocando o dedo no meu nariz

Ai eu lembrei que eu já passei por isso
Na verdade eu já fui mestre nisso
Enlouqueci uma pessoa fazendo isso
Acho que eu até merecia um prêmio
Se é que isso é digno de premiação

Antes de você existir eu já quebrei cadeira
Já quebrei porta de vidro
Já destruí o painel de um carro
E por pouco não matei

E hoje o cachorro chama Freud
Nada é por acaso….

Agradeço as vozes que disseram pare!
Agradeço meu lado “são” que ouviu as vozes
E esses dois lados deram as mãos
Saímos para tomar um drink
Como se nada demais tivesse acontecido

Não tem o que dizer sobre isso
Tá feito e como pode ser dito
Tá posto
Já era
Game over

Agora você
Iniciada nos livros de maldade e crueldade
Querendo dar lição de moral
Essas horas as vozes dão uma sonora risada
De você!

E eu fico pensando
“Como é que é?”
Mas eu só posso estar participando de algum programa
Daqueles que gravam nossa reações em segredo
Para mostrar
Em horário e canais de pouca audiência

Como é que é?
Pergunto mesmo

O meu silêncio foi claro
Das escolhas que você fez lá atrás
E compactou comigo
Porque um dia eu escolhi ocupar este lugar

Hoje não cabem mais
E neste triangulo alguém sempre sobra
E você escolheu me tirar
E eu aceitei sair
Para preservar o seu segredo
E nada mais

Agora é você
Ela e seu segredo!

Então não me cobre
Presença
Palavras
Cuidado

Quando deste triangulo eu me tornei
Exclusão
Ausência
Descuidado (Para quem mesmo?)
Para que você continue sua mentira

E sendo feliz
Na vida de ausências
Mentiras
E chiliques
Que só funcionam
Porque sua máscara ainda não caiu.

E agradeço
Pois o seu contato
Me fez lembrar
O que eu havia esquecido.

Sua escolha!

De novo

Padrão

VAMOS DAR UM TEMPO.jpg

Como assim você me achou?
Eu em silêncio
Nos pensamentos
E na cobertura das ações

No descontentamento com o mundo
E o Universo que eu tive de engolir
Sem um copo de água para descer suave

E assim foi
Desceu a seco
E rasgou
Feriu tudo o que viu pela frente

E chorei em silêncio
Quando me deparei
Com o que havia de ser

A breve despedida
Quase como uma fuga
E parti

Como já de costume
Me parti

E agora sigo esse caminho
Rumo a sabe se lá o que é
Ou
O que há de ser

E esse tempo que passa
Para lugar algum

Desses caminhos que levam
Para nada

E me perdi
Cai de paraquedas

Me parti
De novo

Me parti
E não parti
Parti

Não importa

Agora você aqui
Olhando para mim
E no meu silêncio
Você lê meus pensamentos

E já sabe de tudo

Tudo o que eu tentava ocultar

E não tem como segurar

Essas lágrimas
São a minha melhor resposta
Para o que você não disse
Mas eu entendi bem

Sim
Dói
Sim
Sofro
Sim
Não sei mais
Se vale a pena
Esperar
Ou aguardar
O novo amanhecer

E assim
Eu finjo
Que está tudo bem.