Lembra de mim?

Padrão

SAUDADE
Lembra de mim?
Um dia fomos nós
Eu e você
Daquela vida
Que eu queria só para mim
De você
Que eu achava que era meu
Só meu
E de mais ninguém

Mas nunca foi
Sempre fomos
Mais do que dois
Muito mais do que todos
Os que cabiam
Entre nós…

E eu achava
Que poderia ser
A guardiã
O porto seguro
O lugar do amor
Na sua vida…

O amor
Já estava por ai
Em todos os lugares
Eu era apenas mais um
Dos lugares que você estava
E prometia

Na verdade você disse que me amava
E eu entendi que era única
Você disse que eu era especial
Eu entendi que seria para sempre

E assim
Ainda espero
Você voltar
Para me dizer algo
Que possa fazer sentido
No lugar
Que eu não escuto
Do lugar
Que não há
Do lugar…

Em que eu possa ser
Algo
Ao seu lado
Para sempre…

Anúncios

Por que acreditei?

Padrão

morDa vida

As palavras

Organizo
Considero
Interpreto
Ajudo

Do lugar delas
Uma nova ordem
Um novo sentido
Uma nova perspetiva
Novas possibilidades

Mas aqui
Me perdi

Esqueci
Desliguei
Esquivei
Falhei

Deixei passar

Ouvi no lugar errado
Reconfigurei a rota
O sistema falhou

Perdi…

Você me deu algo
Eu cansei de tentar
Interpretar
Seguir
Colocar no lugar

Mas o problema
Foi não perceber

Que não tinha lugar
Não tinha motivo
Não tinha sentido

No final das contas

Tudo se tratava de mim
Não é mesmo?

Sem lugar
Não tem o que se fazer…

Tentei entender

Padrão

ENTENDER

Nunca sei
O que você quer
Me dizer

O que você quer
Comigo

O que você quer
De mim

O que você quer…

Eu tentei
Eu já li
Nas linhas
Entrelinhas
No não dito
No subjetivo

Procurei nos dicionários
Falei com sábios
Falei com guias
Falei com Freud

Me disseram
Que é assim mesmo
E que é obvio
Está claro
Bem na minha cara…

Suspiro
Procuro ar
Mas os pulmões
Foram maltratados
Não podem ajudar

Tento enxergar
O grau não lê
Bula de remédio

Saio com o carro
Gasolina na reserva…

Esse é o obvio
Do não dito
Não entendido
Não manifesto

O óbvio
É o seu lugar

O meu lugar.