Sem entender

Padrão

alvoUm dia você me liga
No outro você desliga

Mando um Oi
Você responde
Dias depois

Sempre tem uma desculpa

E eu deixo
Caio em todas
Deixo elas todas
Fazer sentido…

Nem ligo

Mas estou pensando
Ligo sim

Ligo demais
Para você
Em minha vida
Em meus pensamentos
Em meu coração

Mas você
Nem sei mais
O que é
Ou o que será

Talvez nunca tenha sido
O que eu achei que era

De ficar ignorando
Fingindo ou mentindo
Para mim mesma
Comecei a acreditar
De verdade nessa história
De amor…

Eu inventei tão bem
Que agora virei refém
De meu amor
Platônico
Por alguém…

Você me manda um Oi…
Minha vez de brincar com você…

Das palavras e escolhas

Padrão

chave

Eu só precisava saber o que dizer
Ou saber exatamente
Apenas exatamente
O que fazer

Daqueles dias que contamos
Regressivamente
Ansiosamente
No calendário

E chegou
Agora eu fico olhando para as paredes
Sentindo o coração bater forte

Mas nada
Nenhum movimento
Nenhuma palavra
Nenhuma intenção

Apenas fico olhando
Parada o dia que chegou de presente
E não tenho a menor idéia do que fazer
Com ele e com a minha vida nele

E o dia lá fora está tão lindo
Daqueles muito mais bonitos que os sonhados
Mas simplesmente não acontece
Não vai
Não liga

E daqui eu fico
Esperando que um milagre venha dos céus
E me tire desse entorpecimento
Dessa anestesia
Dese lugar de não existir
E não saber executar o desejo

Hoje

Talvez
Eu me obrigue e sair
Talvez eu consiga dessa vez…

Eu sabia

Padrão

rota

Como é que pode ser tudo isso afinal?
Do frio que congelou meu corpo
Quando eu me dei conta
Que eu falei demais

Até agora
Voltando e revoltando
Lembrando e relembrando
Repassando a cena
Lembrando minuto a minuto
Quase com Close caption

Falhei

Mas já tinha tanta mentira no ar
E as palavras não eram mais ouvidas
E nas explicações do que era dito
Do que não fazia sentido algum

De se tentar provar o que é falho
De amenizar o que já está estragado
De tentar amar o que foi roubado

Nesse lugar
Eu sem querer fui colocada
E me deixei levar
E me deixei ficar
E achei que dava conta

Não dava
Porque essa conta não existe
E essa conta não fecha
Não fechará nunca

E agora
Me peguei com uma chave na mão
Mas eu nunca peguei ela para mim
Não sou eu a dona desse mistério
Não serei eu a revelar

Mesmo que meus atos falhos
Queiram me entregar

E me dei conta
Que a angústia é só minha
E deste lugar
Não haverá de brotar nada
Até que eu me “Descoloque”
“Desencaixe” e deixe de desejar
O que nunca foi meu
Por direito
Ou por querer.

Do frio que é

Padrão

frio

Outro dia era cansado
Depois virou confusão

As palavras
As reflexões
O pensamento era cinza

Do sonho que também
Era cinza

E de repente
Começou a fazer frio

Mas o frio não diz respeito
Ao cinza que tomava conta
E preenchia tudo

O cinza era apenas
A melhor expressão
Do que havia sobrado

Agora tem sol lá fora
E as cores tomam formas
Preenchem os espaços
Fazem sentido ao que não tinha

Mas faz frio

Cada coisa em seu lugar

Na dimensão do que pode ser sentido
E do que pode ser visto
DO que pode ser experimentado

E de tudo o que há de vir
Porque essa vida está pedindo
Novos caminhos…

Ato falho das palavras
E me pego querendo Calor…
Mas será isso mesmo?

Cadê você?

Padrão

legião urbana

Hoje eu ouvi uma música
Lembrei de você

Voltei no tempo
Fui naquele lugar
Onde nos encontramos a primeira vez

Mas depois fui mais
Muito mais longe

Quando soube que você
Era você e sobre
O que você gostava
E gostava mais do que eu

Não acreditei
E escrevi

Coloquei o CEP
E era tão inocente
Que você me achou na lista
E ligou…

O telefone tocou
E eu não acreditei
Tinha sido descoberta
Como podia ter sido tão amadora?

E todas as cartas
Todas as ligações
A primeira vez que você veio em casa

Depois…
As vezes que você me ajudou
Me ofereceu seus ouvidos
Me ofereceu seu ombro
Mas acima de tudo
Foi paciente e compreensivo
Porque da loucura
Eu já era melhor amiga
E competia com ela por atenção e lugar
Ganhei várias vezes…

E o tempo
A vida
A rotina
As loucuras
As escolhas
A maturidade
A falta de maturidade
O que se fez presente….

Nos deixou ausentes…

Mas hoje
Eu senti saudades
Do que um dia houve de ser
E do que nunca sairá de meu coração
Do lugar e da vida que você me ofereceu
Da sua risada
Das suas broncas
Da sua sabedoria
Mas acima de tudo
Pelo melhor amigo
Melhor que eu já tive um dia de ter
Por você, eu teria sido menos louca
Se eu soubesse

Mas eu só sei hoje…

Da loucura que hoje toma remédio
Faz terapia e equilibra-se
Entre dias e noites

Por toda a amizade
Tempo e tudo mais

Fica aqui minha gratidão
E meu grande amor por tudo o que houve.

As vezes

Padrão

as vezes.jpg

Não entendi

Mas também não sei
Se tudo tem que ser assim

Tudo tem que fazer parte
Sentido ou lugar

Das palavras que eu li
Do que tinha sentido
Acho que não dei significado
Ou não dei o devido lugar
Para que elas pudessem ser

Não importa mesmo
Na verdade nunca teve importância para você
Do jeito que tinha importância para mim

E eu fui deixando
Ficando assim
Meio insensível
Meio sei lá

O que é
O que não é mais

Mas não há de ser nada
Porque eu deixei de querer
Tentar entender
Esse lugar e suas palavras

Hoje
Eu só deixo estar
Deixo para lá
Deixo quieto

E finjo que não entendi nada
Assim a vida fica mais
Ou menos…

A vida fica…

Como assim

Padrão

vida

Estava pensando
Que tentando fazer sentido
Buscando um lugar para as coisas
E para o que é de ser sentido
Ou escondido

Eu acabei deixando de lado
As palavras

O lugar que elas percorriam

E me dei conta
Que me esqueci delas

Fiquei tão perplexa
Vendo o sol

Eu nem lembrava mais o que era isso

Vendo as pessoas

Eu nem lembrava mais o que era isso

E me dando conta
Que sábados
São dias para descansar

Eu nem lembrava mais o que era isso

E depois desse tempo
Deste lugar que eu estive

Me esqueci de mim
Do lugar que era
Do que havia de ser
Do que eu queria ser
Do que eu sempre fui
O que eu sempre fui?

Não tem problema

Estou de volta

E palavras

Vamos novamente
Para os lugares
Que ninguém sabe
Ou ousa poder fazer parte

Segue-se assim
Os caminhos
Possibilidades
E a vida…