Bagunça de pensamentos

Padrão

pensamentos1

Verdade
Eu tinha colocado a culpa nele
Achei que era o remédio
Que deixava minha cabeça
Meus pensamentos
Minha boca
Meu sono

Aérea
Lenta
Seca
Absurdo

Mas na verdade
Ele só maquiava
O que eu esqueci
De pensar

E deixei de lado
Como se fosse uma sacola velha
Cheia de coisas para jogar fora

Mas não
Ela se abriu de novo
E remexida
Me mostrou

Que eu não tenho como esquecer
Que não tem como escapar
Não tem o que fazer

De adiar
Eu me perdi

De fugir
Eu esqueci

E agora
Olho ao redor
E não consigo
Pensar

Porque a dose
A dose do remédio
Só me faz embargar
Desencaixar e amortecer

Tudo
Que na realidade
Eu quis esquecer.

De volta para casa

Padrão

fica

Voltei

Falei

Organizei

Signifiquei

Considerei suas palavras

Chorei o que eu estava engasgado

Consegui dizer o que estava engasgado

Reconsiderei a parte do afeto

Pensei que esse era o lugar

Paro e respiro
Olho ao redor
Tudo faz sentido

Lá eu fui buscar sentido mesmo…

Mas mais do que isso

Acho
Que queria encontrar alguma coisa
Como se eu houvesse
“Deixado algo embaixo da cama”

Entre palavras
Frases
Organizações e Pensamentos

No bailar das palavras
Quando me dei conta
Que eu nunca tinha pensando nisso

Respirei fundo

Você abriu a porta

E implorei
“Por favor não me abandone”
Você respondeu que não iria me abandonar…

Acho que tudo fez sentido agora.

Perdi o sono

Padrão

insonia

Não dormi
Passei a noite toda
Me revirando na cama
Atormentada por pensamentos
Restos do que foi o dia
Do que foi a nossa conversa

E ainda não entendi
O que houve de ser
Ou que houve na fala

Mas sei que ainda estou
Desencaixada de tudo

O que aconteceu com você
Foi devastador
Foi absurdamente atormentador
Mas
O que houve comigo?

De alguma maneira cruel
E quase pragmática
Já era esperado
E maldosamente aguardado

Já sabíamos que isso ia acontecer
Eu já sabia?
Eu sabia sim…

E você desabou
E me mostrou seu lado humano
Eu lado atrás das caixas
Das palavras e do raciocínio

Do que você tem de melhor
Sua armadura

E sim
A história paralela havia de existir
E era muito bem vivida
E chegou ao seu ápide

E agora
Você
Olha tudo de baixo

Tudo aconteceu embaixo dos seus olhos
Embaixo de sua armadura

E agora

Respiro fundo e tento pensar

Porque eu não consegui dormir?

Dos olhos azuis que eram verdes

Padrão

por do sol.jpg

Dessa paisagem
Vendo o sol se encontrar com o horizonte
E as ondas que vem e vão
Do seu som das águas que dançam
Do vento de bagunça meu cabelo

Me perco no infinito
Das idéias e pensamentos
Que cruzam o mundo da imaginação

Me recordo
Que em algum momento
Desta vida houve amor
Amor por alguém que fez
A vida se desencaixar
Mas fazer sentido

De você que cruzou meu caminho
Como nunca alguém fizera antes

Dos olhares que se cruzaram
E nunca mais

Sabendo que até hoje
Esses olhos me fazem calar
Silenciar diante da beleza
Que se apresenta
E representa
O que não pode ser explicado por palavras

E eu me achava curada
Como se houvesse cura para o amor
Ou para um coração partido

Já faz bastante tempo
Tempo suficiente para não lembrar
Ou acreditar que foi loucura
Ou que nunca aconteceu

E me dei conta
Que nunca mais te encontrarei
Porque nunca você fez sentido
Do jeito que eu achei que era

E nunca mais nos cruzaremos
Nos encontraremos
Seremos um par

Nunca mais

Olho o horizonte novamente
E o sentimento inunda o meu peito

Da certeza de que nunca mais
Da mesma maneira
Que nunca poderei tocar
A linha do horizonte em contato com o sol

Do amanhecer ou do anoitecer
Certezas da vida
Realidade rasgando meu peito

Mas
Que sentimento mesmo?

Conversando com Deus

Padrão

conversando-com-Deus.png

Naquela segunda feira o plano era outro
Eu tinha compromissos
Finalmente tinha encontrado um tempo para mim
E depois queria falar com Deus

E a segunda feira ficou diferente
Quando recebi a notícia
Do que eu havia parado de pensar
Voltava para minhas lembranças
E me rasgava com a realidade

Até perguntei o sentido de tudo aquilo
Mas a resposta foi apenas a esperada
E a certa do que era possível

Saí de lá
E resolvi andar
Nem lembrava mais para onde mesmo

E no metrô
Por ironia do destino
Estação Liberdade

E na igreja
Me reencontrei com uma imagem querida
Que me remeteu a meu lugar predileto no mundo
Quando por duas vezes pude experimentar o seu dia
A sua festa e a sua força
E chorei

Chorei não de pena, de dó ou de raiva
Chorei porque evitando pensar
Me esqueci que a verdade não pode ficar alheia
E ela voltou para me trazer
Para a realidade

E não parou por ai
Me dei conta
Que a vida passou
Do que passou
Passou
E não foi deixado para trás

Do que passou
O tempo levou
Não volta mais

Do que eu nunca mais poderei ter
Porque escolhi o medo
A recusa em ser o que eu sempre quis

E nesse dia

Eu nem sabia que Deus já estava do meu lado
Quando fui me cuidar
E Ele me lembrou
Que ainda há tempo
Sempre há tempo

Mas a questão principal
É: Eu quero uma segunda chance?

Insonia

Padrão

cama

Essa noite eu não dormi
Me remexi horas na fio
Tentando encontrar a melhor posição
O melhor lugar no meu travesseiro
Na minha cama
Nos meus pensamentos

E não encontrei

Andei pela casa
Sem fazer barulho
Para não acordar
Meus Sentimentos
Pois meus Pensamentos
Já ocupavam a sala
O quarto e o banheiro

E de lá para cá
De cá para lá
Dormi…

Pouco depois o despertador toca
E eu acho graça
Da piada pronta
Que já sabia que viria pela frente

Do sono, do mau humor
Do dia desencaixado
E das coisas que se acumulavam
Em fila para que as organizasse
Executasse, resolvesse

E tivesse sucesso

Mas do que mesmo
Neste dia
Que não nasceu ainda
Porque ainda estou esperando a noite
Para dormir
E fazer sentido
No encaixe da cama
Nos pensamentos
E no que mais eu quero para minha vida

E assim seja daqui para frente
Esse desencaixe que encontrou
Minha morada segura
E agora ri na minha cara

Da insônia que agora é minha companheira
De uma vida inteira
Que espera para ser

De um encaixe
De um lugar
De um pensamento
De alguém…