Por que acreditei?

Padrão

morDa vida

As palavras

Organizo
Considero
Interpreto
Ajudo

Do lugar delas
Uma nova ordem
Um novo sentido
Uma nova perspetiva
Novas possibilidades

Mas aqui
Me perdi

Esqueci
Desliguei
Esquivei
Falhei

Deixei passar

Ouvi no lugar errado
Reconfigurei a rota
O sistema falhou

Perdi…

Você me deu algo
Eu cansei de tentar
Interpretar
Seguir
Colocar no lugar

Mas o problema
Foi não perceber

Que não tinha lugar
Não tinha motivo
Não tinha sentido

No final das contas

Tudo se tratava de mim
Não é mesmo?

Sem lugar
Não tem o que se fazer…

Anúncios

O dia que as palavras engasgaram

Padrão

tombo

Tropecei
Cai de cara

Acho que ninguém percebeu

Todos estavam cansados
Todos falavam ao mesmo tempo
Todos se mostravam e não se ouviam
Todos queriam ir embora

Mas eu lá
Tentando engolir as palavras
Que eu mesma havia dito

Como foi mesmo que eu fiz isso?

Do que os outros falavam
Me perdi no que era mentido
No que era dito
No que era

Me perdi
No desejo
Do meu desejo
Do que não era real

Tropecei nas palavras
E falei

Não falei nada demais
Mas falei o que não era
Do explicar o que não tinha explicação

Pensando agora
Se me faço de louca
Se finjo que nunca aconteceu
Se o roxo no olho foi um cisco que entrou
Se a cara inchada é de um resfriado

Não sei ser assim
Agora minha consciência me condena
Minha moral me massacra

E já sei que dormir
Hoje, como prêmio de participação
Terei de presente
Da minha mente e da minha consciência
Os requintes desta queda
Visto de todos os ângulos possíveis
Com direito a replay
Narração
Close caption
Tradução em três idiomas distintos
Entrada ao vivo do grupo de operações especiais da policia para descrever a cena
E participação especial de diversos fantasminhas
Que ficarão comigo até o dia amanhecer…

Será que demora muito para isso acontecer?

Do talvez que você aceitou

Padrão

luz.jpg

Estes dias estão tão corridos

Da correria que eu adiei
Empurrei até onde deu

Achei que se ignorasse
Essas questões sumiriam
Mofariam e eu descartaria

Mas foi justamente o contrário
De tanto adiar
Elas cresceram
E vieram bater aqui na porta

Tudo bem?
Podem entrar
Aceitam um café?

Fui pensando em tudo
Colocando tudo no devido lugar
Pensando nas coisas da minha responsabilidade
Do meu lugar e do meu querer

Sem querer não tinha me dado conta
Até agora
Que eu esperava que alguém passasse na frente
Pegasse para sí
Levasse embora
E resolvesse

Mas desta vez foi diferente

Ninguém atravessou na frente
Ninguém pediu a guarda
Dos problemas que eu carregava

Ninguém quis assumir

E agora eu estou
Prestes a dar a luz

Mas calma ai
Eu não tinha me dado conta

Estou prestes a dar
A luz
Ao lugar
Que é meu
No mundo
Na vida
Em mim…

Tudo bem…
Eu assumo daqui para frente.