Morria de medo e eis que chegou minha vez…

Padrão

silencio

Quando eu via blogs que eu amava ficarem em silêncio por algum tempo, meu coração até chegava a doer um pouquinho, pois eu ficava pensando, o que poderia levar uma pessoa a criar um blog e depois deixar ele de lado?

Eis que minha vez chegou….

A vida começou a ficar corrida de um jeito que eu sempre quis, mas parecia algo tão longe e improvável…

Então, agora é possível que esse canal fique um pouquinho em silêncio.

Mas ele continuará aqui, não vou desativar, talvez só deixe ele paradinho por alguns dias, porque meu coração bate forte por ele.

Tenho também que produzir conteúdo para o blog de psicologia e ele também está meio capenga, rs… – marilicezanato.wordpress.com 

Então, vou organizar a agenda, e fazer as coisas voltarem para os eixos…

É temporário…

Prometo prometidinho!

🙂

Anúncios

Sejam bem vindas

Padrão

star

Voltei para casa tarde
Mais tarde do que o de costume

Fiz um caminho diferente
Fora do habitual

Cheguei em casa

A luz da lua transbordava
Entrava pela sacada
Iluminava tudo

Por um instante suspirei
Como se estivesse provando
Experimentando uma sensação nova

Fechei a porta
Coloquei a bolsa na cadeira

Fiquei apreciando
Algo que há tempos
Não apreciava
Nem me lembro quando foi
A última vez

Lembro quando houve uma das primeiras
Mas não lembrava da última

Conversei com as estrelas
Agradeci
Por elas virem me visitar
Na minha nova casa

No novo lugar
Que será por enquanto
Desta vez
A morada

No alto das montanhas
Do lado do paraíso
Perto da doçura
E do que faz bem

Agradeci
Por elas
Me lembrarem
Que há vida
Para quem lembra
De olhar para cima

Elas sempre estão lá…

Me fazendo lembrar
Que nem sempre
Eu
Estou aqui…

A Constelação que você me deu

Padrão

stars-in-our-sight.jpg

Nem sei a hora

Hoje o relógio despertou

Era mais tarde

Do que era para ser

Perdi a hora

Mas não queria ir

Querer eu queria

Mas passou

E você chegou

Atrasado

Do horário combinado

Eu nem sabia

Que chegou

Na hora certa

No certo do tempo

Do que era e tinha

Abriu um sorriso

Abriu os braços

Abriu o coração

Me deu palavras

Me deu um pouco de mim

Que havia lá atrás

Dos desencontros

Me dou conta

Faz parte

Do que é

De onde viemos

E está tudo bem

Me ensinou

Eu ensinei

Na despedida

Não quis partir

Mas era a hora

De ir

E você

Partiu

Me deixou inteira

Do que houve de ser

Consertado no seu coração

Meu coração

Completo ficou

E leve

Voltou a bater

Para lá

Me trouxe

Esperanças

E o recado que pedi

A Ele

Você foi

E nem sabe…

Dobrando a dose

Padrão

drogas1

Esses dias todos
Eu fiquei assim
Desligada
Alheia
Desencaixada

Achei que estava tudo bem
Que as coisas iam melhorar
Mas agora eu só quero saber
De ficar dormindo

Da minha cama
Do meu travesseiro
Dos lugares que eu posso visitar
Enquanto fecho os olhos

E mergulho
Vou profundamente
E viajo
Me perco
Não tenho hora para voltar
E nem hora para chegar


Naquele lugar
A vida ainda tem algo a oferecer
E mostrar que tem um sentido

Mas mesmo assim
Neste entorpecimento
Não era para estar assim

Então
Semana que vem
Eu volto
E ajustamos a dose

Tudo bem…
Mais um pouco
Para que a vida possa voltar a ser
O que nunca poderá ser mesmo.

As vezes

Padrão

as vezes.jpg

Não entendi

Mas também não sei
Se tudo tem que ser assim

Tudo tem que fazer parte
Sentido ou lugar

Das palavras que eu li
Do que tinha sentido
Acho que não dei significado
Ou não dei o devido lugar
Para que elas pudessem ser

Não importa mesmo
Na verdade nunca teve importância para você
Do jeito que tinha importância para mim

E eu fui deixando
Ficando assim
Meio insensível
Meio sei lá

O que é
O que não é mais

Mas não há de ser nada
Porque eu deixei de querer
Tentar entender
Esse lugar e suas palavras

Hoje
Eu só deixo estar
Deixo para lá
Deixo quieto

E finjo que não entendi nada
Assim a vida fica mais
Ou menos…

A vida fica…

Como assim

Padrão

vida

Estava pensando
Que tentando fazer sentido
Buscando um lugar para as coisas
E para o que é de ser sentido
Ou escondido

Eu acabei deixando de lado
As palavras

O lugar que elas percorriam

E me dei conta
Que me esqueci delas

Fiquei tão perplexa
Vendo o sol

Eu nem lembrava mais o que era isso

Vendo as pessoas

Eu nem lembrava mais o que era isso

E me dando conta
Que sábados
São dias para descansar

Eu nem lembrava mais o que era isso

E depois desse tempo
Deste lugar que eu estive

Me esqueci de mim
Do lugar que era
Do que havia de ser
Do que eu queria ser
Do que eu sempre fui
O que eu sempre fui?

Não tem problema

Estou de volta

E palavras

Vamos novamente
Para os lugares
Que ninguém sabe
Ou ousa poder fazer parte

Segue-se assim
Os caminhos
Possibilidades
E a vida…