Toca (de novo) Raul

Padrão

CRIANÇA-OUVINDO-RÁDIO

Quando quero me acalmar ouço essa voz e a paz invade o meu ser…

“O convívio me tornou seu fã”… Perfeito isso!

Anúncios

Dobrando a dose

Padrão

drogas1

Esses dias todos
Eu fiquei assim
Desligada
Alheia
Desencaixada

Achei que estava tudo bem
Que as coisas iam melhorar
Mas agora eu só quero saber
De ficar dormindo

Da minha cama
Do meu travesseiro
Dos lugares que eu posso visitar
Enquanto fecho os olhos

E mergulho
Vou profundamente
E viajo
Me perco
Não tenho hora para voltar
E nem hora para chegar


Naquele lugar
A vida ainda tem algo a oferecer
E mostrar que tem um sentido

Mas mesmo assim
Neste entorpecimento
Não era para estar assim

Então
Semana que vem
Eu volto
E ajustamos a dose

Tudo bem…
Mais um pouco
Para que a vida possa voltar a ser
O que nunca poderá ser mesmo.

As vezes

Padrão

as vezes.jpg

Não entendi

Mas também não sei
Se tudo tem que ser assim

Tudo tem que fazer parte
Sentido ou lugar

Das palavras que eu li
Do que tinha sentido
Acho que não dei significado
Ou não dei o devido lugar
Para que elas pudessem ser

Não importa mesmo
Na verdade nunca teve importância para você
Do jeito que tinha importância para mim

E eu fui deixando
Ficando assim
Meio insensível
Meio sei lá

O que é
O que não é mais

Mas não há de ser nada
Porque eu deixei de querer
Tentar entender
Esse lugar e suas palavras

Hoje
Eu só deixo estar
Deixo para lá
Deixo quieto

E finjo que não entendi nada
Assim a vida fica mais
Ou menos…

A vida fica…

Como assim

Padrão

vida

Estava pensando
Que tentando fazer sentido
Buscando um lugar para as coisas
E para o que é de ser sentido
Ou escondido

Eu acabei deixando de lado
As palavras

O lugar que elas percorriam

E me dei conta
Que me esqueci delas

Fiquei tão perplexa
Vendo o sol

Eu nem lembrava mais o que era isso

Vendo as pessoas

Eu nem lembrava mais o que era isso

E me dando conta
Que sábados
São dias para descansar

Eu nem lembrava mais o que era isso

E depois desse tempo
Deste lugar que eu estive

Me esqueci de mim
Do lugar que era
Do que havia de ser
Do que eu queria ser
Do que eu sempre fui
O que eu sempre fui?

Não tem problema

Estou de volta

E palavras

Vamos novamente
Para os lugares
Que ninguém sabe
Ou ousa poder fazer parte

Segue-se assim
Os caminhos
Possibilidades
E a vida…

E tem motivo?

Padrão

loucura1

Achei que estava tudo bem
Cheguei toda risonha
Acreditando que era o fim

E você me olhou
Me mediu
Dos pés a cabeça

Pensou
Refletiu
Explicou seus motivos

Nem tinha me dado conta
Que eu fingia
Na verdade
Não fingia

Eu me perdia
E fui indo de um lado para o outro
De cima abaixo
Me esquivando
Como se fosse possível

Fugindo de você
Nem tinha me dado conta
Que mentia

Mas a mentira era minha
E para mim

Embarguei a garganta
Os olhos marejaram
Eu me enrolei
Na minhas palavras
E no que eu escondia

O beco já era sem saída
Há muito tempo

E fui eu mesma
Que acabei me esquecendo
De ficar por lá mesmo

Agora
Aguente a dose
Respire fundo
E não olhe para trás.

Aguente as escolhas
E as consequências
Pois não tem caminho de volta…

Percebi agora

Padrão

lacan
Eu não tinha me dado conta

Não do jeito que eu achei que era

Eu entrei na sala
E procurei vestígios de mim
De coisas que ficaram para trás
Das lembranças que um dia foram
De sentimentos

Procurei embaixo da cadeira
Olhei os móveis

Não achei
Senti
Mas não achei
Lembrei
Mas não achei

Eu não havia me dado conta
Que eu estava lá
Fiquei presa na sala
Durante todos esses anos

Quando você disse que eu te abandonei
E depois arruma
Diz que fui eu quem me abandonei

Eu lembrei
E te pedi para não me cortar

Depois
Te contei dos cortes
Da faca e da carne
Do sangue e do desejo

Te implorei para não me cortar

Demorei para entender

Que eu fiz isso
Eu paralisei nisso
O que resta é dor
Angustia e sofrimento

E te imploro
Não me corte!

Achei graça do que você disse

Padrão

coffee_and_cigarettes_by_sartr

Estava lembrando
Daquele nosso café
Que agora é café de sempre

Porque assim tem de ser
O que é bom tem que se repetir
E ter morada segura na vida

Lembrei do que você disse
Que eu havia te dito
E na sua fala ficou engraçado

Quando eu comentei
Que as pessoas que liam meus textos
Deveriam achar que eu estava
A beira do suicídio
Da vida que não vale a pena
Que eu estou na pior

E só de tempestades o meu mundo gira
Só de tristezas o motor da criatividade é
Só de um passado mórbido que a vida é

E pensei
Refleti sobre isso

Da minha própria fala
Em suas palavras

Ri alto
Pensei bastante

Depois me dei conta
Que tristeza dá mais audiência

E eu que sou bem chegada
Faço da solidão minha companheira

Mas no final das contas
É para abusar dela
E fazer ela me contar causos
E eu transformar eu versos

E fazer a vida
Sentida
Sentido

Mas talvez um dia
Eu revele o meu lado graça

Mas será que ele dá ibope?