Prenda a respiração e pule

Padrão

fim
Hoje eu cogitei
Como há muito
Não pensava

Em desistir

Cansei de procurar
Cansei de fazer
Cansei de querer
Cansei de tentar
Cansei de sonhar
Cansei de amar
Cansei de entender

Cansei tanto
Que desistir era o mais belo refúgio

Quando nada mais faz sentido
Quando nada mais tem o porque
Da vida que se faz vazia
Das bebidas que não entorpecem mais
Do cigarro que deixou de fazer companhia

Daqueles dias
Que levantar da cama
É a tortura maior

Ir para a vida
O sacrifício inescapável

Colocar o sorriso
A melhor roupa e ir
Rezando para o dia acabar
Para voltar para casa
E fechar a porta

Ficar no escuro
Ficar no silêncio
Ficar na cama

Ficar em paz

A eternidade chega quando?

Anúncios

Meu engano

Padrão

amor-dependencia-algemas

Onde você chegava
Encantava
Hipnotizava
Silenciava
Paralisava

Deixava as pessoas
Assoberbadas….

Eu
Eu ria
De tudo isso
E me envaidecia
Achava tudo isso
Incrível

Depois
Isso se voltou
Contra mim

E eu queria
Isso para mim

Te controlei
Maltratei
Humilhei
Vilipendiei
Fui longe demais

Controlando
O intangível
Inacessível
Inviolável
O incontrolável

E você
Ja tinha
Feito o mesmo
Comigo

Onde você chegava
Encantava
Hipnotizava
Silenciava
Paralisava

Deixava as pessoas
Assoberbadas….

Essa era eu

Caindo na armadilha

Que eu havia percebido

Mas nunca imaginei
Que já estava nela

E sem me dar conta
As pessoas
Olhavam
Era para mim….

Só finjo estar bem

Padrão

pedaços de mim

Na mesa
Falando do cotidiano

Alguém do passado
Reapareceu

E na conversa
Das bobagens
Outras coisas vieram

E seu comentário
Me rasgou

Não foram
As palavras

Elas só foram certeiras
No que esta infeccionado
E doeu

Meus olhos se calaram
Se fecharam
Para não escorrerem
O sangue
As lágrimas
O nó
A desgraça
Que foi

Você riu
Do meu destino

Mal sabendo
Que o abismo
Me chama

O convite é tentador

E você ri
E goza da maldade

Quando me dou conta
Que você ajudou
Lá atrás

Você era
Um dos capatazes

E me submeto até hoje

Ao passado morto
Enterrado
Mas que vive
No meu peito

Morria de medo e eis que chegou minha vez…

Padrão

silencio

Quando eu via blogs que eu amava ficarem em silêncio por algum tempo, meu coração até chegava a doer um pouquinho, pois eu ficava pensando, o que poderia levar uma pessoa a criar um blog e depois deixar ele de lado?

Eis que minha vez chegou….

A vida começou a ficar corrida de um jeito que eu sempre quis, mas parecia algo tão longe e improvável…

Então, agora é possível que esse canal fique um pouquinho em silêncio.

Mas ele continuará aqui, não vou desativar, talvez só deixe ele paradinho por alguns dias, porque meu coração bate forte por ele.

Tenho também que produzir conteúdo para o blog de psicologia e ele também está meio capenga, rs… – marilicezanato.wordpress.com 

Então, vou organizar a agenda, e fazer as coisas voltarem para os eixos…

É temporário…

Prometo prometidinho!

🙂

Demorei para entender

Padrão

Morpheus-641x506

Agora

Escrever ficou
Assim
Sem lugar
Sem vontade
Sem sentido

Eu sempre

Agora as palavras
Ficam sem entender
Ou explicar

Porque as drogas
Preenchem
Fazem sentido
Fazem algo

Mas me deixam longe
Do que tem sentido

Para viver no mudo real
Eu preciso ficar assim

Com as palavras alheias
Tingidas de cores
Que apagam com a chuva

Fiquei assim
Sem saber
O que tem que ser
O que é
O que foi

E até pensei
Em apagar tudo

Então
Vou continuar
Ficar quietinha
E continuar
Com a dose
De 20mg por dia

Até o dia
Que
As palavras
Morrerem de vez
Em mim…

Quem sabe
Se assim
A vida
Haverá de ser
Finalmente
Minha….

Me deixou

Padrão

chuva

Aquele dia escuro

Você veio

E achei

Que seria

Colorido

 

Mas só tinha

O gosto amargo

Do que transbordava

 

Perguntou-me

O que era

E na verdade

Era espelho

Do que havia

Em si mesmo

 

Não tive coragem

Abaixei os olhos

Em silêncio

As palavras não saíram

 

Mas eu pensava

E você entendeu

 

Eu não te amo mais

 

Ficamos em silêncio

 

No final

Eu já sabia

Que você

Não havia lugar

Para mim

 

E quando teve lugar

Para você

Você chegou

Tarde…

 

E agora

Eu vou embora

Com as palavras

Não ditas…

 

Com tudo

O que eu sonhei

De você em minha vida

 

Minha fantasia

Meu carnaval

Minha vida

Você…

 

Acabou

No silêncio

No amargo

No cinza

Daquele dia

Que choveu

E molhou tudo

E levou

Você para sempre…