Morria de medo e eis que chegou minha vez…

Padrão

silencio

Quando eu via blogs que eu amava ficarem em silêncio por algum tempo, meu coração até chegava a doer um pouquinho, pois eu ficava pensando, o que poderia levar uma pessoa a criar um blog e depois deixar ele de lado?

Eis que minha vez chegou….

A vida começou a ficar corrida de um jeito que eu sempre quis, mas parecia algo tão longe e improvável…

Então, agora é possível que esse canal fique um pouquinho em silêncio.

Mas ele continuará aqui, não vou desativar, talvez só deixe ele paradinho por alguns dias, porque meu coração bate forte por ele.

Tenho também que produzir conteúdo para o blog de psicologia e ele também está meio capenga, rs… – marilicezanato.wordpress.com 

Então, vou organizar a agenda, e fazer as coisas voltarem para os eixos…

É temporário…

Prometo prometidinho!

🙂

Anúncios

Demorei para entender

Padrão

Morpheus-641x506

Agora

Escrever ficou
Assim
Sem lugar
Sem vontade
Sem sentido

Eu sempre

Agora as palavras
Ficam sem entender
Ou explicar

Porque as drogas
Preenchem
Fazem sentido
Fazem algo

Mas me deixam longe
Do que tem sentido

Para viver no mudo real
Eu preciso ficar assim

Com as palavras alheias
Tingidas de cores
Que apagam com a chuva

Fiquei assim
Sem saber
O que tem que ser
O que é
O que foi

E até pensei
Em apagar tudo

Então
Vou continuar
Ficar quietinha
E continuar
Com a dose
De 20mg por dia

Até o dia
Que
As palavras
Morrerem de vez
Em mim…

Quem sabe
Se assim
A vida
Haverá de ser
Finalmente
Minha….

Me deixou

Padrão

chuva

Aquele dia escuro

Você veio

E achei

Que seria

Colorido

 

Mas só tinha

O gosto amargo

Do que transbordava

 

Perguntou-me

O que era

E na verdade

Era espelho

Do que havia

Em si mesmo

 

Não tive coragem

Abaixei os olhos

Em silêncio

As palavras não saíram

 

Mas eu pensava

E você entendeu

 

Eu não te amo mais

 

Ficamos em silêncio

 

No final

Eu já sabia

Que você

Não havia lugar

Para mim

 

E quando teve lugar

Para você

Você chegou

Tarde…

 

E agora

Eu vou embora

Com as palavras

Não ditas…

 

Com tudo

O que eu sonhei

De você em minha vida

 

Minha fantasia

Meu carnaval

Minha vida

Você…

 

Acabou

No silêncio

No amargo

No cinza

Daquele dia

Que choveu

E molhou tudo

E levou

Você para sempre…

 

Vazio

Padrão

vazio

Eu achei
Por um tempo
Certo tempo até
Que você seria capaz
De me dar
O que ninguém deu

E abri
Te contei tudo
Abri o coração

E você
Abriu
Se abriu no coração

E me fez ver
Que eu te dei errado

De coração
Não mais há

E quando eu entrei
Abri
A porta

Mas
De saber
Sabiamos

Que vazio
Estava

E vai demorar

Mas tudo bem

Temos todo o tempo
Para fazer o que quisermos

Mesmo
Que não seja
Com a gente.

Um dia eu ainda deixo de ser legal… ah, esse dia é hoje

Padrão

Eu-não-fui.._medium

De novo você
Fazendo bobagem
Abusando da minha bondade
Na verdade abusando
Da minha gentileza

Mas fiquei pensando que talvez não seja você
Daquelas histórias que usamos para terminar
Não é você, sou eu
Mas nesta história
Sou eu mesma!

A responsável sou eu

De saber que você usou meu nome
Meus conhecimentos
Manipulou o jogo
Para fazer seu desequilíbrio ter lugar

E me pediu ajuda
Eu te dei
Te ajudei
Você recusou
Me pediu nomes
Eu te dei
Me pedi de novo
Eu já tinha te dado
E você me diz que tinha o direito
De não ir
E eu te respondi
Que eu tinha o direito
De não te dar mais nome

Eu sei que te atingi…
E daqui para frente será meu silêncio…

Daqui para frente eu não me importo mais!
Você pediu
E eu te dou esse lugar

Na outra história
Eu nem suspiro mais
Nem me abalo mais
E senti pena

Justo eu que nem sei sentir isso
Senti pena de você

E meu silêncio neste caso será perigoso
Porque eu demoro a responder
Mas quando respondo rasga

E agora
Você tem uma dívida comigo
E pior
Tem uma dívida com alguém
Que eu jamais ousaria desafiar

Sei que pagarei o preço
Mas desta vez
Eu deixarei você
Perdida…

Daqui para frente eu não me importo mais!
Você pediu
E eu te dou esse lugar
Silêncio.

Silêncio

Padrão

mascara-1

Você não me ligou mais
Não me mandou nenhuma mensagem
Não curtiu nada

E agora não sei nem seus horários
Seus hábitos
Seus lugares
Onde você se esconde
Com quem você está

Tudo são apanhados
Que eu caço
No silêncio
Na ausência
E na loucura
Que meu coração me conduz

De que lugar estou falando?
De que sentimento me esquivando?
Da vida que foi

E que é

E sempre será desse jeito
Por circunstâncias

Que nunca haverá de haver
Nós dois

Porque você me diz que o que há
Basta

Basta ao que?
Basta a quem?
Serve…

Do interminável Plano B
Que não serve de nada
Pois nunca me colocará
No lugar da atriz principal

Serei sempre
Aquela
Dos bastidores

Quando as cortinas se fecham
As luzes se apagam
E o espetáculo
Silencia.