Ausente, mas aqui

Padrão

limiteFiquei tanto tempo sem escrever
Que até estava estranhada
Como seria possível
Silenciar o que há no coração?

E me dei conta
Que as drogas não estavam mais presentes
Que eu não estava mais me dando conta
Que eu já estava ignorando
De maneiras diferentes
A própria existência

Fisgada pela dor
E amada infinitamente
Pela ausência
Do que não pode ser
Do que não se tem

Vivi
Todo esse tempo
Correndo atrás
Do que eu já tinha
Mas nunca havia me dado conta
Que era meu

Então
Por hora eu volto
Para falar que enlouqueci
E me curei…
Que morri
E voltei…
Que a vida me deu nova chance
Nova morada
Novo sentido

E me preparo
Para o que há de vir

Não sei o que será
Mas sei que já é dado
Como fato consumado

Aqui jaz
Minha vida
Que eu matei
Para chegar ao limite…

Anúncios

O dia que eu morri

Padrão

morte

Quanto tempo foi?

Que eu deixei você?

Sai
Larguei tudo para trás

Nao fiz mala
Larguei discos
Cartas
Lembranças
Histórias

Larguei você…

Da vergonha
Que sangrou
Quando os olhares
Me contaram
O que eu não vi

Porque estava presa
Porque estava apaixonada
Porque estava cega

Eu nem sabia
Nunca passou pela cabeça
Que isso existia

E senti
A lâmina atravessar
Meu peito
Atingir em cheio
Meu coração

Naquele dia
Eu cai
Sangrei

Morri…

E na morte
Esqueci de te buscar
Para partir comigo

Deixei você só

Hoje
Volto

Hoje
Te estendo
A mão

Venha comigo

Não tenha medo

Aqui
Você está a salvo
Aqui
Há luz
Aqui
Eu posso
Te dar
E devolver

Vem
Comigo
Meu amor

Eu nunca mais
Deixarei você.

Vem comigo, eu cuido de você…

Padrão

amor
Menina
Onde você estava?
Todo dia acordando
Relembrando
Vivendo presa ao que foi
Muito tempo perdido
Muito tempo nessa tortura
De achar que ia ser diferente
Que podia ter sido diferente
Foi o que foi
Foi o que era para ser
E não tem como voltar
Para refazer
Reescrever
Dizer que você sente muito
Ou matar
Então hoje
Eu te trago de volta
Abro a porta
E peço para você vir
Te abraço
Enxugo suas lágrimas
Tenho você em meu coração
Digo que está tudo bem
Que agora
A vida é boa
Que agora o dia tem sol
Que a vida te espera
Para brindar
O que você foi
O que você é
E a vida que é
Hoje
Graças
A quem você foi
Beijo-te o rosto com ternura
E de prometo
Agora
Está tudo bem…

Descanse

Padrão

amoraceito

Cheguei em casa

Você já estava lá

Dormia
Fiquei um tempo

Quieta

Sem acender a luz

Ou fazer barulho
Fiquei te admirando

Pensando

“Que homem forte que me contempla”
Daquelas histórias

Que vamos em filmes

Sonhamos acordadas

Do Príncipe

O meu encantado
É a minha vida
E faz finalmente valer a pena
Valeu cada tropeço

Cada descuido

Cada coração partido
Hoje eu entendi

Só hoje eu posso

Oferecer e receber

O que é esse amor
E esse amor

É seu

Só seu

E de mais ninguém
Você me deu

Eu reconheci

Eu aceitei
E agora

Eu vivo

Sem você

Padrão

SEM VC

Tem como ser diferente?
Desse lugar que é seu
Esse lugar que sempre é seu

O seu lugar
Essa vida é sua
Eu não tenho como
Não sei essa vida
Dessa vida
Sem você

Como era antes
Como foi antes?

Agora
A vida está aqui
Eu te espero

Como você faz isso?
Resolveu aparecer
Resolveu chegar
Entrar como sempre foi

Chegou
E agora fica aqui
Seu perfume
Seu abraço
Seu olhar

Só sinto muito
Porque eu nunca soube
Nunca aprendi

A ler suas voz
Compreender seu perfume
Ouvir suas palavras
Entender sua fuga

Repasso a cena
Vejo fotografias

Quando me dou conta
O dia passou
O mês terminou
Já é ano novo
De novo

E você
Velho
Eterno
Aqui
No vazio do meu coração

Agora
A vida é
Isso

E de resto
Eu finjo
E me escondo….

Deixa
Já é hora
De dormir

Acordar
Pra quê?

Tinha de ser assim

Padrão

chave 2

Como você está?

Quanto tempo que não te vejo…

Por onde você andou?
Esteve esse tempo todo?

Te reconheci
Em uma fotografia

Aquele sorriso

Lembrei daquele dia
Lembrei daquele tempo
Lembrei que lá…

Lá ainda havia algo
Algo de você
Algo em você
Algo para você…

A vida tinha lugar
Sentido…
Direção…
Vontade…

E de repente
A vida virou
A rota mudou
Tudo ficou escuro
Lugar não havia mais

Você partiu
Talvez
Tenha ficado presa
Em alguma caixa
Junto com a mudança
Ficou em algum canto
Esperando o tempo certo

Fingindo que o tempo era pouco
E que o tempo era logo ali

O tempo passou
O presente chegou

E de tanto ficar lá
Esqueceu o que era mesmo
Quem era mesmo

Na frase dessa semana
Acordou

Como se precisasse do sentido
E ele te fez….
Sentir…

Agora te reconheço
Na foto…

Procuro você
Por aqui….

Não encontro

Mas tudo bem…

Te convido
A vir comigo
Porque aqui
Tem lugar para você.

Fim

Padrão

morte veio me buscar

Hoje

Você tem que deixar tudo aqui

Não pode levar nada

Não pode dizer nada

Hoje é  o seu fim

Estamos te liberando

Para que você faça

O que quiser

Com a sua vida…

E lá no fundo…
Ouço uma risada engraçada
Querendo me dizer
Você que escolheu
Esperando o tempo certo
Para começar ela
Mas na verdade
A partida desse jogo
Começou há muito tempo atrás

E você ai
Esperando a autorização
O momento certo
O lugar….

E percebeu
Que não tem mais outra vez
Não tem mais outra chance
Não tem mais…

Hoje acabou.

E o que você fez dela?